Jorge Vianna condena fisiologismo da classe política em relação aos profissionais de saúde

Distrital lembra que PL das 30 horas semanais tramita há 21 anos na Câmara Federal

210
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

Durante sessão da Câmara Legislativa do DF (CLDF), desta quinta-feira (8/Abr), o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), criticou o fisiologismo por parte dos congressistas, em relação a pseudo-valorização dos profissionais de saúde. Para o parlamentar, embora adotem discursos pró-saúde, mantém engavetados projetos que beneficiam tais categorias

Vianna ponderou que tais profissionais, são lembrados em datas específicas, a exemplo da Semana da Enfermagem, ou excepcionalmente, no decorrer dos últimos 15 meses, dado a atuação, na luta contra a pandemia do coronavírus (Covid-19). Porém, o distrital abordou um paradoxo ao pontuar projetos, a exemplo da redução de carga-horária para 30 horas semanais, há 21 anos, em tramitação na Câmara e no Senado.

Publicidade

“Temos projetos, inúmeros, que favorecem os trabalhadores da Saúde em todos os aspectos, e há uma dificuldade muito grande, pois, o interesse individual de cada um está acima. E eu não falo de todos os deputados, mas a grande maioria, no fundo, não reconhecem [os profissionais de saúde]. A gente tem um projeto na Câmara Federal, das 30 horas semanais, que já virou até piada, porque já são 21 anos.”, frisou Vianna.

O deputado criticou o que classificou de “hipocrisia”, de parlamentares, por adotarem discursos enaltecedores em relação aos profissionais de saúde. Porém, quando o assunto é reconhecimento, deixam de mostrar disposição e interesse político em fazer  votar projetos que beneficiem esses trabalhadores.

“Se tenho a saúde pública e privada, os trabalhadores são os porta-vozes, a linha de frente. Nunca entendi isso. Como um empresário e o estado, não valorizam o trabalhador da saúde. A partir do momento que a gente conseguir valorizar, não só em abracinhos, beijinhos e cafezinhos aí vamos avançar, no dia que a classe política do brasil reconhecer a Saúde, e os trabalhadores em geral, aí sim. Por enquanto fica minha decepção em relação ao Congresso Nacional.”, disse Vianna.

Confira a fala na íntegra

Artigo anteriorSTF: Barroso determina instalação da CPI da Pandemia no Senado
Próximo artigoCovid-19: Brasil bate recorde com 4.249 mortes registradas em 24 horas