Casos de dengue caem 62% em 2020 em São Sebastião

84


Print Friendly, PDF & Email

A Região Administrativa de São Sebastião reduziu em 62,38% os casos de dengue em 2020. Até a sexta semana do ano foram registrados pela Secretaria de Saúde 131 casos; no ano passado, 210 ocorrências no mesmo período. Os dados foram apresentados na reunião com os administradores regionais, na noite da última terça-feira (18), com o objetivo de criar um cronograma de atividades nas cidades para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya.

É importante frisar que não houve óbitos em São Sebastião neste ano. O administrador da região, Alan Valim, explica que a queda nos índices deve-se ao esforço conjunto do Governo do Distrito Federal em promover resultados positivos para a comunidade.

Leia também:
Educação e Saúde criam comissão para combater dengue nas escolas
Operação recolhe 65 sucatas com focos do Aedes aegypti

“Tivemos diversas ações contínuas desde o ano passado, como o recolhimento de lixos e entulhos pela administração em parceria com os agentes ambientais, mutirão com os militares do Corpo de Bombeiros, aplicação de fumacê, ajuda da comunidade e a conscientização a domicílio, ações que contribuíram para que conseguíssemos vencer essa batalha”, comemora.

Valim alerta que apenas uma batalha foi superada, pois para que os números caiam ainda mais é necessário que toda a comunidade abrace a causa. “Ano passado limpamos uma área particular abandonada na Avenida São José, tiramos mato alto, entulhos e tudo mais que poderia acumular água. A situação estava caótica. Precisamos que os moradores nos ajudem nessa missão, que nos avisem os locais [de risco], porque vamos lá com o auxílio da Polícia Militar e apoio da Vigilância Ambiental limpar e eliminar de vez essa praga que assola nossa cidade”, enfatiza.

Publicidade

Os pontos abandonados são também a preocupação da chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental, Aline Ruben, para quem além dessas localidades é preciso ficar de olho nos acumuladores. “Nós temos feito um levantamento dos imóveis mais críticos, para que os mesmos sejam acompanhados de perto. E para que, em parceria com a administração regional, possamos realizar um manejo ambiental nesses locais a fim de minimizar a proliferação de vetores e animais sinantrópicos”, explica Aline.

Para fazer denúncia de acumulador ou lote/casa abandonados disque 199 ou 162, ou faça o comunicado no site da Ouvidoria do DF. A terceira opção é denunciar uma situação de risco, presencialmente, na Administração Regional de São Sebastião.

* Com informações da Administração Regional de São Sebastião

Fonte: Agência Brasília