DF preparado para combater a dengue

91
Print Friendly, PDF & Email

Plano de ação contra o mosquito transmissor da doença foi apresentado à população durante cerimônia em Planaltina

Por Ián Ferraz

A chegada da temporada de chuvas motivou o Governo do Distrito Federal a intensificar as ações no combate às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Embora o trabalho ocorra o ano inteiro, o período entre novembro e janeiro é considerado de maior risco. Para cumprir metas e objetivos, o GDF lançou neste sábado (9), em Planaltina, o programa Dengue Zero 2020, com a presença do governador Ibaneis Rocha e parte do secretariado.

Publicidade

“O cuidado, este ano, será redobrado com a dengue”, destacou o governador. “Nós estamos preparados para atender a população do DF, pois adquirimos todos os produtos e insumos para combater o mosquito.” A ação contará com 200 agentes de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde (SES), 60 veículos e o suporte de 400 soldados do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF).

“Nós estamos preparados para atender a população do DF, pois adquirimos todos os produtos e insumos para combater o mosquito”Governador Ibaneis Rocha

O lançamento do programa contou ainda com diversos serviços prestados à população de Planaltina. Próximo à feira permanente, duas tendas montadas pela SES reuniram profissionais para informar as pessoas sobre o combate ao mosquito transmissor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela.  Duas unidades móveis da Caesb marcaram presença, cada uma com 500 litros de água potável para distribuir entre a população, além de dois mil copinhos, entregues ao Corpo de Bombeiros, para ações iniciais do programa Dengue Zero. Foram ainda instaladas duas cubas para apoio à unidade de saúde no local.

Foram oferecidos também testes rápidos para detecção de hepatites B e C, HIV e sífilis; verificação de pressão arterial, glicemia e bioimpedância; orientações nutricionais e de odontologia, com distribuição de kits; serviços de ouvidoria para a comunidade; práticas integrativas em saúde (PIS), como automassagem e tai chi chuan; e exposição de plantas medicinais, como a citronela, que tem propriedades capazes de afastar o Aedes aegypti do ambiente. Outro importante trabalho foi feito pelo Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Planaltina, que abriu um espaço para conversar com a população sobre prevenção ao suicídio.

Enfrentamento

Nos primeiros nove meses do ano, a SES inspecionou 834.449 imóveis no Distrito Federal – quase 92 mil a mais que no mesmo período do ano passado. O uso de Ultra Baixo Volume (UBV), conhecido popularmente como fumacê, também se intensificou neste ano: foram 989.526 aplicações do insumo, contra 62.855 em 2018; e 39.528 aplicações de UBV costal, contra 19.625 no ano passado. Além disso, foram instaladas 1.354 armadilhas para o mosquito. O governo também investiu na capacitação de mais de 280 servidores da Vigilância Ambiental.

834.449Número de residências inspecionadas pelo GDF nos primeiros nove meses deste ano

A chuva e o calor formam o ambiente perfeito para que o Aedes aegypti se desenvolva. Para evitar que essa combinação aumente a incidência de doenças transmitidas pelo mosquito, a pasta tem trabalhado há meses na prevenção e conscientização da população.

Na primeira quinzena deste mês, será finalizado o quarto e último Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) deste ano. Com os dados, será possível traçar novas estratégias regionais, aumentando a efetividade das ações.

No fim de outubro, a SES apresentou o Plano de Enfrentamento das Arboviroses (2020/2023). O documento foi elaborado em concordância com as áreas técnicas e a Sala Distrital, com o objetivo de reduzir o número de óbitos provocados pelas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Além disso, o plano pretende aumentar a efetividade das ações e diminuir o tempo de resposta no combate ao mosquito, minimizando as dificuldades decorrentes da sazonalidade e os riscos de epidemia.

As ações objetivam dobrar de 40 para 80 o número de veículos para aplicação do fumacê, reforçar com mais 200 pessoas o efetivo de agentes nas ruas, usar motos para reforçar pulverização de Ultra Baixo Volume (UBV) e contar com o apoio de 1,5 mil agentes do Corpo de Bombeiros.

Todas as 33 regiões administrativas contarão com pelo menos uma moto de borrifação, mas a expectativa é que um efetivo três vezes maior esteja à disposição da secretaria, de acordo com a necessidade e da demanda das ações de combate ao mosquito. Também está sendo estudada uma ação conjunta de prevenção e combate à dengue com os municípios do entorno.

O plano é organizado em cinco eixos temáticos: coordenação; assistência; vigilância; apoio logístico; e comunicação, mobilização e educação em saúde. A meta é organizar o espaço e a responsabilidade de cada órgão do DF nessa rede de enfrentamento do Aedes aegypti.

Atenção Primária

A capacitação também tem sido frente de trabalho na Atenção Primária, importante aliada nas notificações e tratamento de casos de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como a dengue. Os profissionais da Estratégia de Saúde da Família (ESF) estão sendo preparados para atuar em cenários de prática de investigação epidemiológica, visando ao aprimoramento das ações de vigilância, prevenção e controle de arboviroses.

“Essas ações consistem em selecionar uma área de cobertura da Estratégia de Saúde da Família, respeitando critérios de capacidade operacional associados à existência de evento epidemiológico recente, como caso confirmado de dengue, nas quatro semanas que antecedam ao início da semana de atuação, no território”, explica o diretor de Vigilância Epidemiológica, Cássio Peterka.

Manejo

A prevenção e o controle das doenças também conta com manejo ambiental. A atividade consiste, entre outras etapas, em retirar dos ambientes residenciais, comerciais e áreas públicas os materiais inservíveis antes que virem criadouros do mosquito.

A execução é intersetorial, pactuada com órgãos do GDF, como a Secretaria das Cidades, SLU, DF Legal, Corpo de Bombeiros Militar e, em especial, as Administrações Regionais. No geral, elas ajudam na localização de objetos inservíveis e fornecem apoio logístico – incremento de mão de obra e veículos – para remoção de material. A execução é realizada de forma descentralizada pelos Núcleos Regionais de Vigilância Ambiental (Nuval).

Parceria

A série de ações do GDF envolve também um acordo com o Ministério da Saúde. Em outubro, a SES assinou  o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) nº 1/2019 com o objetivo de regulamentar a alocação de servidores cedidos pelo ministério à secretaria. São 120 agentes de vigilância ambiental cedidos nessa parceria para o exercício de atividades de controle epidemiológico em campo, exclusivamente em zonas rurais do DF.

Fonte: Agência Brasília

Artigo anterior“Ele estava cumprindo a sua missão. Se essa missão não fossem bem cumprida, eu também não estaria aqui”, diz Bolsonaro
Próximo artigoDefensoria Pública do DF ajuíza ação para evitar que moradores pobres de Vicente Pires percam seus imóveis