Dois pesos e duas Medidas: Atrasos de Horas Extras e 13o Salário revoltam servidores da Saúde

Print Friendly, PDF & Email

Servidores reclamam de atrasos e querem ‘retaliação’ ao governo

Por Kleber Karpov

Se de um lado o GDF não pensa duas vezes ao tentar retirar benefícios dos servidores ou em descontar dias de greve dos auxiliares e técnicos em enfermagem, do outro lado, não se intimida ou se constrange ao manter, por seis meses, o atraso do pagamento das Horas Extras dos servidores da Saúde, ou atrasar o pagamento do 13o salário aos aniversariantes do mês, conforme prevê a Lei Complementar 840/2011.

Nesse contexto, os servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) são amplamente penalizados. Além de querer revistar as Gratificações de Titulação (GTIT) e de Movimentação (GMOV), e até suspender o benefício alimentação, os constantes atrasos de pagamentos do benefícios provenientes do esforço de trabalho se tornou regra.

Esse é o caso do pagamento das Horas Extras, em atraso desde novembro de 2016 e mais recentemente do 13o salário dos aniversariantes do mês de março que acionaram Política Distrital, por diversas ocasiões, nos últimos dias, para pedir que o blog interceda pelos servidores.

PD entrou em contato com a SES-DF para obter informações sobre tais pagamentos. Por meio das Assessoria de Comunicação (ASCOM), a pasta informou, em relação ao 13o Salário, que o pagamento deve ocorrer nessa semana. No entanto, em relação às HEs, a posição da Secretaria desanima os servidores que pensam em retaliação. “A Secretaria de Saúde informa que aguarda disponibilidade orçamentária para realizar o pagamento das horas extras o mais breve possível.”.

Revolta

Para os servidores, o GDF abusa dos atrasos dos pagamentos das HEs, sobretudo em meses que o governo está arrecadando o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), além do suplemento orçamentário aprovado,  recentemente, por parte da Câmara Legislativa do DF (CLDF) de R$ 280 milhões para o Executivo, uma vez que o governo argumentou ter comprometimento de apenas R$ 70 milhões. Esse foi o questionamento de um servidor da SES-DF, que pediu para não ser identificado.

“Esse desgoverno, Pinóquio está nos enganando e a toda população do DF. Isso é um absurdo. Estamos em abril e o governo está em plena arrecadação de IPVA. E cadê os R$ 280 milhões que a Câmara Legislativa aprovou para o GDF? Ele [governo] não disse que estava devendo só R$ 70 milhões? Cadê as Horas Extras de novembro? E o nosso 13o de abril? Nós servidores temos é que criar vergonha na cara, nos apertar um pouquinho, mas mostrar para esse desgoverno que se nós das emergências, do SAMU, porque o governo não está pagando, rapidinho vão dar um jeito. Temos que nos unir e entregar as horas extras e deixar esse governo se lascar, pois é isso que está fazendo com a gente. Os técnicos em enfermagem que fizeram greve, se ferraram todos, mas cadê que o governo vai descontar os dias de greve dos professores? É medo dos professores ou perseguição à nós da Saúde?”, criticou.

Boatos

Circula em grupos nas redes sociais, mensagem que sugerem que em decorrência de “uma grande quantidade de processos referentes à hora extra”, no Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), que o pagamento das HEs, devem acontecer, somente em julho. A informação no entanto foi negada pela SES-DF há cerca de duas semanas. Embora, a julgar que se abril se acaba em duas semanas…

Atualização: 19/4/17 às 2h50 para inclusão de informação

3