“Tem escorpião no nosso repouso. Fique de olho!”, alerta profissional de enfermagem no Hospital de Planaltina

433


Print Friendly, PDF & Email

Servidores relatam presença terem encontrado ‘bichano’ também no Raio X

Por Kleber Karpov

Um escorpião encontrado, na manhã desta quinta-feira (1/Fev), na sala de descanso dos enfermeiros, no Hospital Regional de Planaltina (HRPL), assustou e acendeu o sinal de alerta desses profissionais de Saúde de descansam durante os plantões na unidade.  Uma das servidores do HRPl conversou com Política Distrital (PD) e, sob sigilo de identidade, criticou a gestão da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) .

“Isso mostra o descaso conosco. Não sei se você viu as condições das paredes. Além de termos que conviver com o mofo, que é prejudicial a saúde, agora mais essa de escorpião. E tem mais, como a própria colega disse, no Raio X também já foi encontrado um escorpião. Então é um perigo tanto para os servidores e os pacientes.”, criticou.

Em um grupo do aplicativo Whatsapp, as servidoras comentam e até brincam com o episódio. Nele também é possível confirmar a publicação de uma servidora que não teve o nome revelado, sobre ter encontrado um escorpião no Raio X.

Publicidade

Falta de gestão

Opinião semelhante tem o vice-presidente do Sindicato dos Técnicos em Enfermagem do DF (SINDATE-DF), Jorge Vianna, que chamou de descaso da SES-DF. “Enquanto o secretário de saúde, está preocupado com o Instituto Hospital de Base é essa a realidade que os profissionais de enfermagem são submetidos nos hospitais do DF. Sobrecarga no atendimento de pacientes, desvio de função, péssimas acomodações e também as infestações. É bom lembrar que escorpião é apenas uma delas. Vocês mesmo já noticiaram piolho de pombo recentemente, ratos, pulgas, abelhas. Ou seja, isso mostra o perigo que anda a saúde do DF quando o secretário não consegue administrar nem as dedetizações nas unidades de saúde.”, disparou.

Perigo

Em matéria, recentemente publicada por Metrópoles  (Veja Aqui), o o biólogo Israel Martins, da Diretoria de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde – coordenação responsável pela inspeção em residências e captura dos aracnídeos, explicou que os escorpiões “costumam procurar abrigos escuros e úmidos e assim podem acabar em locais indevidos, como sapatos, roupas e frestas de sofá”, detalhou.

No DF, a espécie Tityus serrulatus, popularmente conhecida como escorpião-amarelo é o mais comum. Porém, a Tityus fasciolatus, de patas rajadas ou ainda o preto, Bothriurus araguayae, podem ser encontrados em áreas rurais.

O que diz a SES?

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) após ser encontrado o escorpião na unidade, a direção do HRPL, acionou a vigilância epidemiológica e a sala de repouso passou por “higienização necessária”.  A pasta informou ainda que a última dedetização no hospital ocorreu em novembro de 2017.