Doe leite materno e ajude bebês a se recuperarem

Mamães podem agendar a coleta pelo Disque Saúde 160, opção 4

Os estoques do Banco de Leite Humano do Distrito Federal estão abaixo do esperado e precisando de doações. Para abastecer a rede e unidades parceiras, o volume mínimo necessário é de dois mil litros por mês. Até junho, a média mensal era de 1,5 mil litros.

“Essa quantidade não é suficiente para toda a demanda. Nós estamos com o projeto de atender as crianças com cardiopatias internadas no Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF). Então o nosso empenho está sendo maior”, explica a coordenadora do Banco de Leite Humano, Miriam Santos. Ela ressalta que, em relação ao ano passado, há um déficit no estoque.

A coordenadora revela ainda que tem aparecido demandas de crianças deixadas para adoção que necessitam de leite humano desde o primeiro dia de vida.

Publicidade

Os pontos do Banco de Leite seguem realizando as coletas mensais e contando com a solidariedade de mais de 3 mil doadoras ao longo desses últimos seis meses. Cada pote recebido pode alimentar até dez bebês internados nas unidades de neonatologia. Para doar, basta ligar no Disque Saúde 160, opção 4.

Ação Gotas de Amor leva mensagens de incentivo e solidariedade de mães doadoras às mães impossibilitadas de amamentar. Fotos: Arquivo Agência Saúde

Gotas de Amor

Para aumentar as doações, cada unidade do Banco de Leite tem estratégias específicas. As mamães internadas no Hospital Regional de Samambaia, por exemplo, contam com um incentivo especial das doadoras de leite materno da região. Embaladas ainda pela campanha mundial anual Gotas de Amor Para um Mundo Melhor, elas abraçaram a ação Correio Gotas de Amor, criada pela equipe do Posto de Coleta de Leite Humano da unidade.

A ação busca levar mensagens de incentivo e solidariedade das mães doadoras às mães que, por algum motivo, estão impossibilitadas de amamentar ou necessitem de complementação para alimentar seus bebês prematuros, ou de baixo peso, internados na rede pública ou privada de saúde.

A doadora de leite Sheyla Mendes Moura, 47 anos, é uma das escritoras dessas cartinhas. Ela conta que passou por situação parecida com a das mães, já que ela e sua bebê ficaram internadas e precisaram de doação. “Eu vim de uma situação de alguns abortos e perdas, tinha muito medo, estava muito sensível, ficava destroçada.”

Para aumentar as doações, as mães internadas no Hospital Regional de Samambaia contam com incentivo especial de doadoras de leite materno da região

Quando ficou sabendo pelos bombeiros da coleta sobre as cartas, decidiu participar imediatamente. “Se eu tivesse recebido uma dessas cartinhas, teria me aliviado bastante, porque quando vemos pessoas de fora que se preocupam, que já passaram por algo assim e deu certo depois, a gente se anima”, afirma. Ela já escreveu três cartas para as mulheres que terão os filhos alimentados por sua doação.

A equipe do Posto de Coleta de Leite Humano do Hospital Regional de Samambaia lançou a proposta para o grupo de cerca de 110 doadoras ativas da região, que prontamente atenderam ao chamado para uma ação diferente que aproximasse doadoras e receptoras de leite materno.

As doadoras do Hospital Regional de Samambaia são moradoras das cidades de Samambaia, Recanto das Emas, Riacho Fundo II e Santo Antônio do Descoberto, onde, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, realizam a coleta domiciliar de leite materno.

Saiba mais sobre os serviços do Banco de Leite Humano do DF e o seu funcionamento.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorEm reeleição ao governo do DF, Ibaneis encabeça Celina Leão para vice e Damares ao Senado
Próximo artigoApós reivindicações do Sindate, Hospital de Santa Maria recebe a primeira equipe de maqueiros