Médico é espancado ao alertar pessoas sobre riscos de aglomeração

Até o momento, não foi divulgado quem são os responsáveis pela agressão e ainda não há informações sobre o registro de boletim de ocorrência

412
Print Friendly, PDF & Email

Por Nathalia Kuhl

José Eduardo Mainart Panini, médico infectologista que trabalha no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da USP, usou as redes sociais, nesta segunda-feira (1º/3), para fazer um relato de agressão. Na publicação, ele aparece com um olho roxo e um ferimento na boca, que teriam sido resultados de golpes que sofreu após alertar um grupo de “pessoas conhecidas” sobre os riscos da Covid-19 no município de Toledo, no Paraná.

No relato, Panini diz: “Ao alertar os riscos a pessoas conhecidas, a resposta que me foi dada foram chutes e socos… enquanto um me segurava o outro me agredia”.

“Enfim, pessoas assim que ajudaram situação chegar onde está. O desânimo não vem. E junto com eles temos muita coisa boa, progresso, vacinas e tudo que vai fazer sairmos dessa pandemia. E aos trabalhadores da saúde muita força”, desabafa.

Até o momento, não foi divulgado quem são os responsáveis pela agressão e ainda não há informações sobre o registro de boletim de ocorrência.

Situação no Paraná

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (28/2) 3.675 novos casos confirmados e 34 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

O Paraná tem um novo recorde de internados, com 3.891 pacientes internados. Ainda, 378 aguardam na fila de espera por um leito, sendo 156 de UTI e 222 de enfermaria, de acordo com os dados.