Déficit de servidores em áreas essenciais preocupa força-tarefa do MPDFT

MPDFT identificou orçamento para contratações em áreas como saúde, educação, assistência social e vigilância sanitária

344
Print Friendly, PDF & Email

A força-tarefa do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) que fiscaliza as medidas de combate ao novo coronavírus discutiu, em reunião realizada nesta quinta-feira, 1º de outubro, a situação do quadro de servidores locais. As áreas de maior preocupação são saúde, educação, assistência social e vigilância sanitária.

Em análise da lei orçamentária, o MPDFT identificou a previsão de recursos que podem viabilizar a recomposição do quadro funcional em setores que têm sido mais intensamente demandados durante a pandemia.

Durante a reunião, também foi discutido o mapa social da saúde. O primeiro painel foi apresentado na última semana e trata da regulação e da produtividade no sistema de saúde do Distrito Federal; o segundo, já em produção, reunirá dados sobre o tempo de espera por atendimento. O promotor de Justiça Bernardo Matos, que tem acompanhado a elaboração da ferramenta, acredita que as informações reunidas facilitarão a atuação do MPDFT.

Publicidade

Inovação no transporte público

Integrantes da força-tarefa estiveram reunidos, ainda, com representantes da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) para discutir a substituição dos atuais cartões de transporte por uma versão com chip. O objetivo, além de garantir maior segurança nas transações, é proteger passageiros e trabalhadores da Covid-19 por meio de tecnologias sem contato. “Neste momento, mais que nunca, é preciso pensar em soluções inovadoras que viabilizem formas de convivência mais seguras”, destacou o procurador distrital dos Direitos do Cidadão e coordenador da força-tarefa, Eduardo Sabo.

Saiba mais

Clique aqui e saiba mais sobre a atuação da força-tarefa do MPDFT. Coordenada pelo procurador distrital dos Direitos do Cidadão, José Eduardo Sabo Paes, o grupo é integrado pelas promotorias de Justiça que atuam nas áreas de saúde, educação, patrimônio público, idoso, meio ambiente, infância e juventude, consumidor, direitos humanos e sistema prisional.

Artigo anteriorGDF deve fazer manutenção de extintores e equipamentos de segurança em unidades de saúde
Próximo artigoFalso Negativo: Justiça nega pedido de revogação da prisão de ex-secretário de Saúde