SindMédico-DF: Nota pública sobre a operação Falso Negativo

297
Print Friendly, PDF & Email

Não chega a ser surpresa a prisão preventiva do secretário de Saúde o Distrito Federal, Francisco Araújo. Desde o início da pandemia, ainda na gestão de Osnei Okumoto, o Sindicato dos Médicos do Distrito Federal (SindMédico-DF) vem apontando a necessidade de maior transparência nas compras e contratações feitas para o enfrentamento à covid-19 tanto pela Secretaria de Estado de Saúde quanto pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGES-DF).

Além da suspeita de superfaturamento nos preços dos testes a que se refere a operação Falso Positivo, cria preocupação pela suspeição sobre a qualidade dos testes rápidos usados e o reflexo disso no contexto de acelerada disseminação do vírus no DF nas últimas semanas, também em função do relaxamento das medidas de isolamento social.

Cabe lembrar que esta não é á única operação em que se apuram irregularidades na Saúde do DF. Em junho, a operação Quarto Círculo trouxe a público irregularidades na gestão do IGESDF apontadas pela Controladoria-Geral da União. Enquanto isso, na ponta do atendimento, pacientes e profissionais de saúde enfrentam falta de medicamentos e de insumos tanto para o tratamento da covid-19 quanto para os demais atendimentos.

Escoadouros de recursos da Saúde decorrentes de corrupção ou gestão temerária precisam ser estancados. Esperamos que os fatos sejam apurados com o devido rigor, que sejam apuradas as responsabilidades, inocentados os que tiverem agido com correção e que os responsáveis por desvios respondam por seus atos de forma exemplar.