Mulheres pressionam deputados para instalar CPI do Feminicídio

31


Print Friendly, PDF & Email
Segundo o presidente da CLDF, Rafael Prudente (MDB), uma reunião será convocada ainda hoje para tratar do assunto

Por Denise Caputo

Um grupo de mulheres ocupou a galeria do plenário da Câmara Legislativa, nesta terça-feira (29), para cobrar a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Feminicídio. Criada há cerca de 40 dias, a CPI ainda não tem integrantes, os quais já deveriam ter sido indicados pelos líderes de blocos com representação na Casa. Segundo o presidente da CLDF, Rafael Prudente (MDB), uma reunião será convocada ainda hoje para tratar do assunto: “Faremos um apelo para que os líderes indiquem os membros da comissão e que fortaleçam a participação feminina, indicando o maior número possível de mulheres”.

Da galeria, as militantes deram o recado: “A violência contra a mulher não é o DF que a gente quer. CPI já!”. Em resposta, alguns parlamentares manifestaram apoio à instalação do colegiado. “Estamos trabalhando para que aconteça o quanto antes”, disse o líder do governo na Casa, deputado Cláudio Abrantes (PDT).

“A deputada Arlete Sampaio (PT) e eu propusemos a CPI porque esse é um instrumento urgente e forte para responder a uma questão tão séria”, explicou Fábio Felix (PSol). O parlamentar lamentou os 27 casos de feminicídios registrados apenas este ano no Distrito Federal, número que coloca a unidade federativa na 5ª posição entre os estados com os maiores índices. E cobrou a instalação da CPI: “Já se passaram 40 dias, e as indicações dos integrantes não foram feitas. A vida das mulheres é urgente, e essa decisão também precisa ser”.

A deputada Júlia Lucy (Novo) considerou a demora para a indicação dos integrantes do colegiado um “desrespeito com a pauta”. Ela ainda criticou que a aplicação do Regimento Interno varie de acordo com o tema.

Publicidade

Fonte: CLDF