PDAD 2019: um raio-x das RAs para os administradores regionais

187


Print Friendly, PDF & Email

Dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) 2018, divulgados hoje pela Codeplan, são essenciais para aprimorar gestão das regiões administrativas

A primeira rodada de divulgação de dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) 2018 revelou dados estratégicos para administradores do Itapoã, Jardim Botânico, Paranoá e São Sebastião. Com base na pesquisa, será possível melhorar o planejamento da atuação do governo nas regiões administrativas, acredita Gustavo Aires, Secretário Executivo das Cidades.

As quatro RAs somam 278.232 habitantes, o que corresponde a 9,61% da população do DF. Juntas, integram a Unidade de Planejamento Territorial (UPT) Leste que, conforme indicam os números, possui um dos menores contingentes populacionais das sete UPTs — Central, Central-Adjacente 1, Central-Adjacente 2, Oeste, Norte, Leste, Sul.

Apesar da baixa densidade demográfica, a UPT Leste ocupa 21,97% da área total do DF, o equivalente a 1.264,18 km². As quatro RAs surgiram de forma desordenada na área que, inicialmente, não previa a expansão urbana. Isso explica o porquê de 73,66% da mancha urbana dessa região estar em áreas de regularização.

Secretário Executivo das Cidades, Gustavo Aires sustenta que os dados devem ser analisados com cuidado pelos administradores para que possam identificar quais necessidades devem ser atendidas imediatamente e quais devem ser trabalhadas em médio e longo prazo.

Publicidade

“Esse é o intuito da Codeplan com a Secretaria das Cidades: identificar o perfil de cada região e envolver os administradores na análise desses dados. Além do contato com a população, os gestores precisam de subsídios para identificar as dificuldades e desafios da comunidade”, destaca Aires.

Alan Valim, administrador regional de São Sebastião, pretende aplicar os dados na elaboração de estratégias de gestão mais assertivas. “Os dados da Codeplan vão servir como parâmetro para que nossa equipe técnica consiga executar trabalhos mais eficientes para a população”.

Fonte: Ascom Secretaria das Cidades do DF