Barganha do Livro: Sustentabilidade e cultura no Itapoã

Print Friendly, PDF & Email

Projeto no Itapoã troca material reciclável por livros

Por Priscila Rocha

A líder comunitária, Valéria Correia, é responsável pelo projeto Barganha do Livro no Itapoã, cidade localizada a cerca de 25Km do centro de Brasília. Crianças e adolescentes da região são incentivados a juntarem 20 tampinhas de garrafas de plástico para trocarem por um livro – é o prêmio pela coleta do que iria para o lixo.

A iniciativa transforma a região e a vida da população. As tampinhas arrecadadas são vendidas para uma casa de reciclagem e o dinheiro da venda retorna para a comunidade. Valéria diz que a primeira arrecadação vai trocar o material reciclado por cadeiras de rodas e, no segundo momento, por cestas básicas.

A matemática é fácil: são necessárias três mil tampinhas para adquirir uma cadeira de rodas. E com a ajuda da criançada, é ainda mais fácil reciclar e fazer uma corrente de solidariedade na região.

O projeto iniciou, há seis meses, na Biblioteca Pública do Itapoã. Mas Valéria foi exonerada do cargo que ocupava na própria instituição e, a partir disso, o administrador da cidade, Alessander Capalbo, proibiu que o projeto continuasse no espaço da biblioteca.

Sem local para realizar a Barganha do Livro, o projeto começou a ser feito ao ar livre, em uma pracinha do Itapoã, na Quadra 1 do Del Lago, todos os sábados e domingos, a partir das 16 horas. É lá que Valéria tem um encontro marcado com os moradores. Além de trocar material reciclável por livros, a líder comunitária ajuda quem tem dificuldade com a leitura e incentiva, crianças e adultos, a viajarem pelas páginas dos livros.

Organização
O trabalho voluntário de Valéria também mobiliza a população. Foi assim que quatro cadeiras de rodas já foram arrecadadas e doadas para outras pessoas, sem a necessidade da Barganha do Livro. Tudo é organizado com a ajuda de um grupo no Whatsapp, chamado Comunidade Itapoã. Lá, as pessoas que precisam de ajuda são cadastradas.

“Nesse cadastro eu tenho o nome das pessoas, o endereço e faço uma visita. Vejo quem realmente precisa de ajuda e conforme vai chegando [as doações] eu vou atendendo aquelas demandas que eu vejo que são mais críticas e precisam muito.”, explica Valéria.

Valéria e EugênioAlém da comunidade, Valéria também recebe ajuda de Eugênio Piedade, empresário da região que mantém o Blog Ag News. “Ele está sempre ali presente, dando uma força e me ajudou muito pra colocar a Barganha [do Livro] lá na pracinha. É uma pessoa que tá sempre ali do meu lado me ajudando e apoiando no projeto.”.

Saúde
Já imaginou uma simples tampinha de plástico sendo criadouro do mosquito da dengue por 450 anos? Pois é, este o tempo necessário para a decomposição do plástico. E a cada chuva, mais mosquitos nascem para transmitir doenças se a população permitir esses criadouros.

Barganha do Livro dá um destino sustentável para as tampinhas de plástico e colabora com a saúde da população. Além disso, evita que esse tipo de material seja jogado nas ruas e acabe por entupir os bueiros e evita os alagamentos na cidade, durante as chuvas.

Brinquedos Recicláveis
Barganha do livro também abrange uma oficina de criação de brinquedos a cada 15 dias. É aí que garrafas plásticas, como aquelas de amaciante, alvejante, produtos de limpeza, e as tradicionais pet são transformadas em brinquedos.

“Tem mães que não têm condições de comprarem brinquedos para as crianças. Nessas oficinas elas [crianças] aprendem a fazerem seus brinquedos e o que é mais interessante: fazendo o brinquedo ela vai saber dar mais valor naquele brinquedo, pra ela vai ter um valor sentimental muito grande.”, destaca Valéria.

Educação ambiental
As crianças que participam da Barganha do Livro aprendem sobre o convívio com a natureza. “Nessa aula de ecossistema a gente ensina a criança a respeitar o meio ambiente. Ensinando pra ela que respeitando o meio ambiente ela tá respeitando a própria vida, não só a dela como a do seu próximo.”, explica Valéria.

Sonhos e motivação
Hoje a líder comunitária cursa o 7º semestre do curso de Direito. Sonha em abrir o próprio escritório para advogar e destinar um dia para atender, gratuitamente, as mães carentes de detentos.

“Percebo que a cada 10 presos, dois são inocentes. Infelizmente nosso sistema judiciário é falho por falta de um bom advogado. A defensoria pública, não é que ela seja ruim, ela é muito boa, mas a demanda é muito grande e eles não dão conta. É pouco defensor para muito preso.”. Argumenta Valéria que já participou de audiências de conciliação.

Valéria não teve uma vida fácil. Quem vê a mulher sorrir e conversar com alegria não desconfia que ela já morou nas ruas. “O que me motiva a ajudar as pessoas é que eu já passei frio, já passei fome. Eu sei quanto o frio doe e quanto a fome doe. Eu sei que dormir numa calçada… no outro dia, você amanhece toda quebrada. Como já passei por essas coisas e hoje eu já tenho um pouco de condições de ajudar eu consigo ajudar com a ajuda de outras pessoas.”, emociona quem ouve sua história de vida.

Vamos ajudar?
Valéria também recebe doações de cadeiras de rodas, roupas, calçados e cestas básicas que são distribuídas para a comunidade carente.

Para doar livros ou tampinhas de garrafa é só entrar em contato com Valéria, pelo telefone 99316-7731 ou pelo seu perfil no Facebook. Que tal montar um ponto de coleta de tampinhas no seu condomínio, quadra ou trabalho? Basta procurar o síndico e o chefe!

A Barganha do Livro precisa de doações para o projeto continuar. Hoje, a grande procura é concentrada nos mangais, livros infantis e gibis. Quer um exemplo? Lembra do “Diário de um Banana” que seu filho já leu? A criançada do Itapoã está louca para ler!

0

Você pode gostar...

Comentário