Como prevenir doenças oftalmológicas e procurar assistência no DF

O Dia da Saúde Ocular alerta para importância de cuidados com a visão. O acompanhamento com profissionais qualificados é oferecido pela rede pública

Rede pública de saúde do DF conta com nove ambulatórios para atendimento oftalmológico

Os olhos são órgãos muito importantes e, por isso, precisam de cuidados. É este o conselho para 10 de julho, Dia da Saúde Ocular. A data foi criada pela Organização Mundial de Saúde para promover o bem-estar e alertar para as doenças que afetam a visão.

Referência técnica distrital (RTD) em oftalmologia, a médica Núbia Vanessa ressalta a importância de ser o paciente ser acompanhado por profissionais qualificados. “Quem cuida da saúde ocular é médico oftalmologista”, resume.

A profissional lembra do risco de fazer exames com pessoal não qualificado, que podem deixar de diagnosticar doenças como o glaucoma. Núbia Vanessa ressalta ainda que muitas pessoas não se importam com a saúde dos olhos como deveriam. “Tem paciente que nem sabe que não enxerga com um olho até ir tirar carteira de motorista”, conta.

Publicidade

A rede pública oferece atendimento. Para casos sem urgência, como verificar se é preciso usar óculos ou averiguar se o grau está correto, a orientação é buscar a Unidade Básica de Saúde (UBS) da região onde mora. “A equipe de saúde da família avalia se o caso é oftalmológico e pode também identificar outras situações”, explica o coordenador da Atenção Primária da Secretaria de Saúde, Fernando Érick Damasceno.

Para casos sem urgência, como verificar se é preciso usar óculos ou averiguar se o grau está correto, a orientação é buscar a Unidade Básica de Saúde (UBS) da região onde mora

Na UBS, é feito o pedido para uma consulta em um dos nove ambulatórios de oftalmologia, localizados nos hospitais regionais de Ceilândia, Taguatinga, Guará, Asa Norte, Paranoá e Sobradinho, além do Hospital de Base e do Hospital Materno-Infantil (HMIB).

O encaminhamento, realizado pelo Complexo Regulador do Distrito Federal, leva em consideração também a especialidade da consulta: por exemplo, um paciente com catarata tem horário marcado com um oftalmologista especializado.

Há consultas específicas para avaliações de casos de inflamações, estrabismo e danos na retina, entre outros. Também há atendimento para pacientes com complicações oftalmológicas causadas por hanseníase ou problemas neurológicos, por exemplo. Somente em maio, foram 1.827 agendamentos de consultas.

A rede pública também oferece atendimento de emergência, em geral, casos de cortes, pancadas, queimaduras, conjuntivite e entrada de corpos estranhos nos olhos

O Complexo Regulador também faz o encaminhamento para os casos cirúrgicos. Juntos, o Hospital Regional de Taguatinga, Hospital de Base, Hospital Regional da Asa Norte e o Hospital Universitário de Brasília, que é ligado à administração federal, mas atende pacientes da Secretaria de Saúde, realizaram 436 cirurgias oftalmológicas em abril, incluindo casos de catarata, retina, córnea, estrabismo, pterígio calázio, glaucoma e plástica ocular.

A rede pública também oferece atendimento de emergência, em geral, casos de cortes, pancadas, queimaduras, conjuntivite e entrada de corpos estranhos nos olhos. Enquanto o pronto-socorro do HRAN funciona diariamente das 7h às 19h, o HRT e o Hospital de Base atendem 24 horas todos os pacientes de todo o DF.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorSaúde: pesquisa e uso da cannabis avançaram no Brasil nos últimos anos
Próximo artigoVacinas contra covid-19 e gripe podem ser aplicadas no mesmo dia