A pedido do Sindate, Secretaria deve implantar sala de acolhimento nas UBSs do DF

Por Kleber Karpov

Na manhã desta terça-feira (05/Jul), as diretoras do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF), Elza Aparecida, Isa Leal e Josy Jacob, se reuniram com a Secretária de Estado de Saúde do DF (SES-DF), Lucilene Florêncio, para tratar de  demandas da categoria, relacionadas à Atenção Primária de Saúde (APS).

Tais demandas, apresentadas à secretária foram coletadas a partir de pesquisas e visitas realizadas pela direção do Sindate-DF as Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Dentre as principais levantadas estão, a falta de salas de acolhimentos, a sobrecarga no ambiente de trabalho e a crítica ao que foi classificado de vazios assistenciais.

Publicidade

Baseado nisso, uma das reivindicações apresentadas à secretária foi a criação de salas de acolhimentos nessas UBSs. Pedido esse, que contou com a receptividade e comprometimento por parte de Lucilene Florêncio. Segundo a secretária, tais salas devem ser formadas por enfermeiros, de modo a evitar que outras demandas das UBSs não sejam comprometidas.

A diretora do Sindate-DF, Isa Leal, ressaltou a importância da abertura e disponibilidade de diálogo, por parte da gestão da SES-DF. ”Levamos para a SES o que estamos vendo na base, para que de forma conjunta, possamos buscar melhorias de trabalho para os profissionais e isso refletir no melhor atendimento à população.”

Violência

Josy Jacob por sua vez, ponderou que as pesquisas e visitas demonstraram que as UBSs, por um bom tempo, foram preteridas e relegadas a segundo plano, no âmbito da atenção primária. Motivos esses na análise da sindicalistas, que corroboram para o crescente índice de violência nas unidades de saúde do DF.

“Estamos fazendo um trabalho minucioso e depois de percorrer diversas UBS’S percebi que a Atenção Primária virou uma UPA e que promoção de saúde ficou em terceiro plano. Devido a falta de estrutura e a falta de médicos nas UBS’S a população acaba se revoltando contra os profissionais que estão na ponta, o que gera conflitos e violência contra os trabalhadores. Essa situação não pode continuar e vamos continuar cobrando da Secretaria de Saúde a reformulação e uma nova estrutura para que os servidores tenham condições dignas para atender melhor a população,” afirmou a diretora Josy Jacob.

Acolhimento

As salas de acolhimento têm por finalidade, a recepção dos usuários dos usuários da unidade de saúde, de forma que possam passar por uma classificação de risco e direcionadas para atendimento nas equipes apropriadas, de acordo com a urgência do paciente.

Ainda de acordo com Lucilene Florêncio, as UBSs devem passar por um processo de padronização de processos, de modo a uniformizar tarefas e protocolos a serem adotados em todas as Unidades Básicas de Saúde.

Assembleia

Diante desses encaminhamentos, uma assembleia geral está marcada para o dia 06/Ago, no Clube da Saúde com todos os profissionais da Enfermagem que trabalham nas UBS’s para debater as condições de trabalho e propor soluções para os problemas das unidades.

Também estiveram presentes na reunião com a secretária de saúde, gestores de outras pastas da SES-DF, ligados a Atenção Primária a Saúde, além de representantes do Conselho Regional de Enfermagem do DF (Coren-DF) e do Sindicato dos Enfermeiros do Distrito Federal (SindEnfermeiro-DF).

Artigo anteriorCasa da Mulher Brasileira terá mais três unidades no Distrito Federal
Próximo artigoPiso Salarial: Deputado pede vista do relatório da PEC da Enfermagem; texto será votado na quinta-feira