Esclerose múltipla e psoríase entram em pauta no Senado: especialistas discutem novas tecnologias e medicações no tratamento das doenças autoimunes

Formadores de opinião e parlamentares vão expor em debate o que o setor produtivo e as políticas públicas têm feito na busca do melhor tratamento das duas patologias

O que há de novo em estudos, pesquisas, no mercado farmacêutico e em pauta no governo quando se fala em diagnóstico e tratamento da esclerose múltipla e da psoríase? Para discutir estas questões, na próxima terça-feira (27), autoridades do poder público e privado e especialistas da área de saúde de todo o país se reúnem na 10ª edição do Fórum Nacional sobre Medicamentos no Brasil – Doenças Autoimunes, que acontece no Senado Federal, em Brasília. A proposta é sensibilizar o governo para dar celeridade no processo de novos medicamentos, já disponíveis no mercado brasileiro, e que melhoram a qualidade de vida dos portadores dessas patologias.

Doenças autoimunes, a psoríase e a esclerose múltipla são causadas pelo próprio sistema imunológico da pessoa e não têm cura. Porém, um diagnóstico mais rápido para o início do tratamento e o desenvolvimento de medicações mais eficazes controla a inflamação e previne as complicações no órgão-alvo, melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Publicidade

Além de novos medicamentos, o debate vai abordar ainda temas como regularização de novas drogas, melhoria na transparência e maior envolvimento da sociedade civil nas incorporações de tecnologias, acesso nos sistemas público e privado, impacto socioeconômico destas doenças no Brasil e perspectivas e avanços nas terapias existentes. São justificativas acadêmicas e técnicas, pautas que tramitam no Congresso Nacional e exemplos de boas práticas em outros países que podem se adequar à realidade brasileira.

“Tanto a esclerose múltipla quanto a psoríase são doenças que trazem historicamente muito preconceito pela falta de informação”, explica Gustavo San Martin, diretor executivo da AME – Amigos Múltiplus pela Esclerose, organização não-governamental que tem por objetivo principal difundir informações sobre a patologia. Segundo Martin, jovens adultos são muitas vezes taxados de “preguiçosos” por conta dos sintomas da doença e sentem vergonha de, por exemplo, sentar em assentos preferenciais, aos quais têm direito, com medo de retaliações. “Trazer informação sobre estas doenças para a sociedade é fundamental”, diz.

O X Fórum Nacional sobre Medicamentos no Brasil – Doenças Autoimunes acontece no Auditório Antônio Carlos Magalhães no Interlegis, das 14h às 18h e é aberto ao público. A inscrição gratuita pode ser feita no site do Instituto Ação Responsável.

Esclerose Múltipla (EM)

Considerada um sério problema de saúde pública mundial, devido ao impacto socioeconômico que causa, a esclerose múltipla é uma doença neurológica crônica e autoimune, inflamatória e incapacitante que acomete 2,5 milhões de pessoas no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, há 35 mil portadores e cerca de 13 mil em tratamento, de acordo com o Datasus.

Sua causa é desconhecida, mas a hipótese mais aceita é que seja uma doença autoimune complexa e que fatores genéticos e ambientais também sejam responsáveis pelo seu aparecimento e evolução. No entanto, sabe-se que a doença afeta, normalmente, adultos e jovens em idade econômica e socialmente ativa, entre 18 e 55 anos, e é mais recorrente em mulheres. No Brasil, de acordo com os dados apresentados pelo grupo elaborador do protocolo, sua taxa de prevalência é de aproximadamente 15 casos por cada 100 mil habitantes.

Psoríase (PS)

É uma doença crônica inflamatória da pele, muito comum, que afeta acima de 2,5% da população mundial. No mundo, a patologia afeta de 2% a 3% da população. A prevalência no Brasil é de aproximadamente de 1,5% da população brasileira. Em torno de 30% dos indivíduos desenvolvem artrite (inflamação nas articulações), e mais de 60% têm comprometimento e alterações das unhas. A doença afeta igualmente ambos os sexos. Por ser uma doença crônica, uma vez manifesta, precisa ser tratada pela vida toda.

A artrite psoriásica (AP ou PsA) é uma doença inflamatória crônica que pode causar inflamação articular progressiva e lesão, comprometimento da atividade funcional e, conseqüentemente, redução da qualidade de vida. O tratamento ajuda a controlar a doença e a reduzir seu impacto na rotina do paciente.

Serviço:
X Fórum Nacional sobre Medicamentos no Brasil – Doenças Autoimunes
Data:
27 de novembro, terça-feira, das 14 às 18h
Local: Auditório Senador Antônio Carlos Magalhães no Interlegis, Senado Federal

Artigo anteriorMoradores do condomínio Mansões Entre Lagos realizam, no domingo (25), assembleia para escolha de novo síndico
Próximo artigoNúmeros não comprovam melhora no IHB e precisam ser esclarecidos