Print Friendly, PDF & Email

Bebê foi removido de helicóptero para o Instituto do Coração, mas antes de passar por cirurgia para corrigir cardiopatia congênita, terá que reverter mal funcionamento dos rins, sequela da demora do procedimento cirúrgico

Por Kleber Karpov

Na sexta-feira (27/Abr), Política Distrital (PD) publicou matéria intitulada ‘Governo homicida: Rollemberg descumpre ordens judiciais e deixa idoso e bebê a beira da morte. Após publicação, a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), encaminhou novo posicionamento em que informou ter ‘conseguido’ vaga no Instituto do Coração do DF (ICDF), para o pequeno Vitor Hugo Brandão, de 17 dias de vida.

“A Secretaria de Saúde informa que o paciente V.H.B.F nasceu no Hospital Regional de Samambaia com cardiopatia cianótica complexa, diagnosticada por meio de ecocardiograma. O paciente foi inserido no sistema de regulação, para internação em UTI e cirurgia cardíaca. A vaga foi disponibilizada hoje no ICDF, onde será realizado o procedimento, e o transporte já foi acionado para fazer a transferência.”.

A matéria abordou ainda o caso do ex-trabalhador rural, Joberte Bicalho Felix, de 68 anos. Internado no Hospital Regional do Guará (HRGU), desde 18 de março, após ter um infarto agudo do miocárdio. Felix também aguarda por um procedimento cirúrgico.

Publicidade

Os  casos chamaram atenção de PD, pois os familiares obtiveram decisões do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) que determinavam os atendimentos, por parte da SES-DF, ainda que realizados na rede privada. Determinações essas descumpridas pela Pasta, pois apenas os colocou no Sistema de Regulação (SIS-REG), da Secretaria.

Depoimento

Horas antes de a SES-DF ‘conseguir’ uma vaga ao pequeno Vitor Hugo, a mãe, a auxiliar de produção, Rosenilda  Brandão, de 22 anos, em um depoimento encaminhado ao PD, deu uma verdadeira demonstração de consciência cidadã. Isso ao cobrar das autoridades, que se cumpra os direitos dos cidadãos.

Estranhamente

Porém, o que mais chama atenção, no caso da vaga supostamente liberada para o bebê,  Vitor Hugo, de 17 dias é que na posição anterior da SES-DF, a pasta fez questão de mencionar que “Quatro bebês com mandados judiciais aguardam vagas na UTI do ICDF.”.

Nesse contexto, ao afirmar que “A vaga foi disponibilizada hoje no ICDF, onde será realizado o procedimento, e o transporte já foi acionado para fazer a transferência”. Salvo se três bebês tiveram alta dos leitos de UTI do Instituto do Coração, entre às 13 horas e às 17 horas. E, ao partir do pressuposto que nenhum outro bebê, sem mandado judicial, estivesse à frente do pequeno Vitor Hugo, a SES-DF faz uma demonstração pública grave.

Assumiu o descumprimento de decisões judiciais; Ou não tem controle sobre os leitos regulados contratados por convênio com o ICDF. Ou, dado a repercussão da matéria, que deve ser repercutida pela mídia, a exemplo do programa SOS Brasília do jornalista Ricardo Noronha que deve abordar o problema no domingo (29/Abr), das 15 às 16h, pela TV Brasília/Rede TV. Ou, mais uma vez, Humberto Fonseca mente sobre a disponibilidade de leitos de UTIs para pacientes do Sistema Único do DF.

Fato é que, independente, das possibilidades, dados os números apresentados, por exemplo, pela Defensoria Pública do DF (DPDF), sobre demandas judiciais realizações de cirurgias, disponibilidade de leitos de UTI e, até mesmo, compra de medicamentos. Se faz necessário que a Câmara Legislativa do DF (CLDF), o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), o Tribunal de Contas do DF (TCDF), o Ministério Público Federal (MPF), uma vez que os recursos da saúde do DF, são custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), as Polícias Civil e Federal, se debruçarem sobre o que acontece com a Saúde Pública do DF, mas sob a ótica de investigar tanto o senhor secretário de Saúde, Humberto Lucena Pereira da Fonseca, quando o senhor governador do DF, Rodrigo Rollemberg, mas como sugeriu PD, na matéria anterior sobre o caso, sob a ótica, do Código Penal Brasileiro, sobretudo o Artigo 121, por prática ou, no mínimo,  tentativas dolosas de homicídios contra os usuários do SUS-DF.

Em tempo

Em um rápido comentário, sobre o caso do idoso, o ex-trabalhador rural, Joberte Bicalho Felix, um ex-secretário de Saúde do DF, sob sigilo de identidade, o Hospital de Base do DF (HBDF), antes mesmo de se tornar um Serviço Social Autônomo (SSA), era o único da rede pública, a realizar procedimentos cirúrgicos cardíacos no DF, além do ICDF. “Esse idoso teria que ter seu problema resolvido no HBDF, mas acabaram com a Cirurgia Cardíaca lá [no HBDF] e agora só resta o IC [ICDF]”.

Ao pequeno Vitor Hugo, que a recuperação do problema renal e a cirurgia cardíaca seja a mais rápida possível. PD torce para que o caso do bebê possa se tornar um símbolo, vivo, para demonstrar e cobrar do poder púbico que os usuários do SUS-DF, sejam atendidos com dignidade.