Delmasso representará o Brasil em debate nos EUA sobre o uso medicinal da maconha e gestão da saúde

Print Friendly, PDF & Email

Legalização da “maconha medicinal” é um dos temas de encontro, em que Delmasso e outros parlamentares conhecerão experiências possíveis de ser implantadas no Brasil

O deputado Delmasso (PTN) vai representar o Brasil, juntamente com parlamentares de outras oito unidades da federação, num encontro entre os dias 2 e 6 de agosto. O evento, que reunirá representantes de quarenta nações, debaterá temas de interesse da sociedade. Sobretudo, na área de saúde. Segundo  parlamentar, “É a oportunidade de conhecermos experiências e trazermos para o DF as práticas adotadas em países onde o sistema público de saúde funciona”.

Experiências de gestão da saúde discutidas nos EUA poderão ser implantadas no DF

Publicidade

Em um dos seminários serão conhecidos modelos inovadores de gestão para a saúde. Assunto que também está sendo tratado no DF, onde o governo já sinalizou a intenção de transferir a gestão de hospitais para organizações sociais. As propostas que mais se encaixarem com a realidade de Brasília terão as discussões ampliadas por meio de uma audiência pública a ser promovida pela Câmara Legislativa, ainda em agosto. “Com isso vamos transferir conhecimento e, ao mesmo tempo, prestar contas da viagem”, completa Delmasso, que pediu a audiência na condição de vice-presidente da Comissão de Transparência.

Uso medicinal da Maconha faz parte de proposta de Delmasso

 Em outro fórum será discutida a legalização da Cannabis Sativa (a maconha) para fins medicinais. No Brasil, o CDB – derivado da planta – foi autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) no tratamento de pessoas com epilepsia desde o início deste ano. Delmasso é autor de um projeto que inclui o componente na lista de medicamentos a serem oferecidos gratuitamente pela Secretaria de Saúde. A proposta beneficia famílias de baixa renda que hoje não conseguem pagar os custos de importação do produto.

Fonte: Blog do Professor Chico

 

Artigo anteriorGoverno faz auditoria em 600 processos
Próximo artigoSociedade da informação: regulamentação da Uber é questão de respeito ao cidadão