Prisão de Lula seria ‘um exemplo pedagógico’ afirma o deputado federal Izalci Lucas

Print Friendly, PDF & Email
Por Fred Lima

Em entrevista concedida na última sexta-feira (10) ao programa A Dama e o Repórter, da Rádio Federal, o deputado federal Izalci Lucas (PSDB/DF) afirmou que uma provável delação premiada de Marcelo Odebrecht pode contribuir decisivamente para a prisão do ex-presidente Lula. Izalci é membro da CPI da Petrobras. “Marcelo Odebrecht é o que mais pode contribuir agora, apesar de já ter provas suficientes para prender até mesmo o grande responsável, que é o Lula. Foram apreendidos documentos contábeis na sede da Camargo Corrêa, onde consta o pagamento de propina ao Instituto Lula, por meio de palestras proferidas pelo ex-presidente”, assegurou o deputado. Ainda de acordo com Izalci, são as empreiteiras que financiam as viagens de Lula. “Durante as viagens para proferir palestras, Lula consegue com os presidentes de países como Bolívia, Venezuela e Cuba, por exemplo, as obras para que elas (empreiteiras) tenham lucro. Depois, tais obras são financiadas pelo BNDES. Para o bem do Brasil, a prisão do Lula seria um exemplo pedagógico, inclusive serviria de lição aos mais jovens”, alegou.

Rollemberg

Perguntado sobre qual avaliação faria dos sete meses do governo Rodrigo Rollemberg, Izalci foi taxativo: “O que falta no Brasil é planejamento. Mais difícil do que vencer uma eleição é governar. Não basta dizer que é candidato e pronto. Precisa primeiro saber o que vai assumir e quais propostas serão executadas. São pré-requisitos para qualquer candidato. Infelizmente a população não vota em propostas, mas em pessoas, e muitas vezes são indivíduos bonzinhos, mas incompetentes, que não tem perfil para o Executivo. Não estou falando especificamente do Rodrigo, mas a presidente Dilma, por exemplo, é assim. O caso dela é o mais grave de todos. Um governo que não é comandado por ela, mas pelo Lula. No caso do Rodrigo, que era senador, é normal tentar chegar ao Executivo no meio do mandato. É natural que senadores se candidatem aos governos estaduais para que seus nomes fiquem em evidência, com o intuito de não serem esquecidos. A eleição do ano passado caiu no colo do Rollemberg, visto todos os problemas que cercaram as outras candidaturas, como o impedimento do Arruda e o baixo índice de popularidade do Agnelo. O Frejat era um bom candidato, mas entrou no meio da disputa. Além disso, não houve transição no governo Rollemberg. O PSB, partido do governador, não tem tradição e nem quadros no DF para governar. A prova maior da falta de planejamento é que o secretário de Saúde afirmou, na Câmara, que foi convidado para assumir a secretaria no dia 27/12. Perguntei se ele tinha um planejamento naquele momento para a Secretaria de Saúde, e a resposta foi: “não”. Pior do que isso foi o Rodrigo não fazer o decretão, retirando servidores nomeados da gestão Agnelo e nomear gente de sua confiança. Ele manteve o quadro do PT. Ora, essas pessoas não deram certo com o partido delas no governo, darão agora com outro?”.

Publicidade

Para finalizar, Izalci afirmou que falta definição de projeto: “Qual o projeto do governador Rodrigo Rollemberg? Não conhecemos”.

Ouça a entrevista:

Artigo anteriorSenador Hélio José preocupado com a saúde
Próximo artigoA fala de um policial