Diretor da Polícia Civil chama PMs de “vigias de cones” e se ‘enseba’ com policiais

875
Print Friendly, PDF & Email

Reação vai além de redes sociais e atingem em cheio o meio político. Fraga, Bessa e entidades se manifestam sobre colocações de Eric Seba

Por Kleber Karpov

Um comentário considerado ‘tosco’ por parte do diretor-geral da Polícia Civil do DF (PCDF), Eric Seba de Castro, pode abrir uma crise sem precedente com a Polícia Militar do DF (PMDF), caso o governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB) faça vista grossa em relação ao caso. Em um áudio, vazado à imprensa, Eric Seba sugere que PMs são “vigiadores de cones”, para refutar a luta dos militares pela paridade salarial com os policiais civis.

Em matéria publicada pelo portal RadarDF (Veja Aqui), Eric Seba em suposta conversa com a diretora do Departamento de Polícia Especializada (DPE), Mabel Farias  demonstra irritação em relação a demanda de paridade entre as duas polícias, demandada por um PM, ocasião em que o diretor da PCDF menciona que os militares são “vigiadores de cones”. A irritação essa, nas palavras do Eric Seba, em decorrência de os policiais civis serem chamados de “balconistas”.

Intriga da oposição

Publicidade

De acordo com a publicação de Radar DF, sobre o caso, o diretor-geral da PCDF se defendeu nas redes sociais. “No áudio que circulou também pelas redes sociais o diretor geral acusa um grupo de delegados opositores a sua gestão de praticar crimes como: transporte de dinheiro ilícito e até uso de entorpecentes.”.

Repercussão

Após publicação da matéria, o caso repercutiu, negativamente, entre os PMs mas, inclusive, com os próprios policiais civis. Uma das entidades a reagirem à tais colocações foi da Associação dos Oficiais que, por meio de nota manifestou apreensão nas palavras do comandante número um da PCDF.

Confira a Nota:

“A Associação dos Oficiais da Polícia Militar do Distrito Federal vem a público manifestar profunda apreensão quanto ao conteúdo de áudios, vazados à imprensa, atribuídos ao Diretor Geral da Polícia Civil do DF.
Caso confirmada as informações revelam o total menosprezo do chefe daquela organização policial para com todos os profissionais que, exaustivamente, dedicam-se às ações de policiamento ostensivo.
Atividade que por vezes consiste na execução de tarefas simples, como a distribuição de cones nas vias da cidade para controle de tráfego, mas que ainda assim é responsável por 90% das prisões em flagrante executadas no Distrito Federal.
A presença física do policial militar é a certeza para a população da estabilidade do estado democrático de direito. Aliás, a Polícia Militar é a única instituição pública com capilaridade suficiente para atuar em todos os municípios e rincões deste país.
Algumas vezes suprindo as limitações de outras corporações como, por exemplo, cidades onde os militares estaduais atuam como delegados de polícia para suprir as necessidades das populações locais.
Mesmo acreditando tratar-se de opinião isolada, proferida pela mais alta autoridade da instituição, reveste-se de uma gravidade ímpar.
Seja pela opinião preconceituosa do Diretor ou mesmo por sua ressonância como exemplo aos seus pares e subordinados na honrosa corporação da Polícia Civil do DF.
Seja como for, ao comprovar-se a autoria das declarações ao Diretor Geral da PCDF, o mesmo torna-se imediatamente incompatível ao exercício das funções. E caso lhe reste alguma honra, ou bom senso, espera-se sua renúncia imediata.
A Associação dos Oficiais da PMDF acredita no trabalho desenvolvido por nossos co-irmãos da Polícia Civil e em todas as suas ações estimula o trabalho em conjunto entre as corporações e o respeito a todos os policiais, militares ou civis, que diariamente deixam suas famílias para arriscar suas vidas nas ruas.
Esperamos que o episódio seja esclarecido o mais breve possível e que ninguém, mesmo uma alta autoridade, possa abalar o equilíbrio e a cooperação entre as forças policiais do Distrito Federal.

Falta de respeito

O deputado federal, Alberto Fraga (DEM), em vídeo publicado nas redes sociais criticou e chamou de falta de respeito a postura de Eric Seba. O parlamentar afirmou que as entidades ligadas à PMDF devem entrar com representação e pedir explicações ao diretor da Polícia Civil. “O mínimo que ele [Eric Seba] tem que fazer é pedir desculpas aos policiais militares.”, afirmou Fraga.

Ridículo

Ainda sobre o assunto, o deputado federal Laerte Bessa (PR), se manifestou por meio de redes sociais e também criticou a que chamou de comentário, “infeliz e até ridículo” de Eric Seba.

Amigo policial,
Quando fui diretor geral da PCDF, sempre defendi e continuo defendendo a integração entre as corporações e, acima de tudo, o respeito mútuo, pois só assim a segurança pública se fortalece.
O comentário do atual DG foi infeliz e até ridículo, bem como a anterior menção pejorativa a respeito dos policiais civis.
Não é a primeira vez que vaza um áudio e esta conduta é extremamente reprovável, sendo uma atitude covarde.
A reação dos co-irmãos da PMDF é justa, mas não devemos deixar que esta ação isolada (apesar de ter sido proferida pelo diretor geral da PCDF) tome grandes proporções.
O fato não deve ser explorado por oportunistas, mesmo porque as instituições precisam ser preservadas.
Dep Laerte Bessa – PR/DF

Escandalos

Recentemente Eric Seba se envolveu em outro episódio polêmico, caso noticiado pela imprensa, entre eles pelo jornalista Mino Pedrosa (Veja Aqui) em que, ao refutar ataques de delegados descontentes com gestão da PCDF ‘disparou a metralhadora’ para todos os lados e chegou a chamar colega adversário de “delegado maconheiro”.

“Todo mundo sabe que como de marmita lá no meio do mato, aliás eu sou chamado de delegado boiadeiro por um delegado maconheiro e mando ele fazer o exame que quiser fazer e digo que desafio, desafio se o exame der negativo para ele eu entrego a minha chefia amanhã. Quero ver se eles têm coragem de colocar o patrimônio deles a disposição de uma investigação. Alguns deles estão sendo investigado pela Lava Jato e carregavam malas com dinheiro ilícito para Rafael Barbosa [ex-secretário do governo Agnelo Queiroz (PT)].”.

Rejeição

Além de ter comprado briga com a PMDF, Eric Seba sofre rejeição dentro da própria categoria. Policiais Civis criticam o alinhamento do diretor-geral da PCDF com o Rollemberg. A avaliação pode ser facilmente constatada, por exemplo, com manifesto, na quarta-feira (24/Jan), por parte do Sindicato dos Delegados de Polícia do DF (SINDEPO).

Durante a realização de uma Assembleia Geral Extraordinária, os Delegados de Polícia aprovaram, por unanimidade, a realização de pedido de exoneração do Diretor-Geral da Polícia Civil do DF. A categoria declarou ainda que Eric Seba não representa os Delegados e que “sua subserviência ao Governo é atentatória ao cargo e à instituição”.

Em nota Pública, a diretoria do Sindicato dos Delegados de Polícia do DF (Sindepo) confirmou a decisão.

NOTA PÚBLICA
Vimos, através desta, expor a público que, nesta data, em Assembléia Geral Extraordinária, os Delegados de Polícia do Distrito Federal aprovaram, de forma UNÂNIME, a realização de pedido de exoneração do Diretor-Geral da Polícia Civil do DF, Eric Seba de Castro.
Aprovou-se, à UNANIMIDADE também, declaração de que Eric Seba de Castro, Diretor-Geral da PCDF, não representa os Delegados de Polícia do DF e que sua subserviência ao Governo é atentatória ao cargo e à instituição.
A Diretoria

Posicionamento

Acostumados, ao longo dos últimos três anos, ou à inércia de Rollemberg, a exemplo do último escândalo que envolveu Eric Seba. Ou ainda as reações equivocadas por parte do governador do DF, que podem exemplificada com a exoneração do ex-chefe e comunicação da PCDF, Miguel Lucena, por criticar práticas de abusos sexuais à crianças, nos seios das famílias.

Nesse contexto, cobranças refletidas no Blog do Poliglota (Veja Aqui), ao sugerir que a Polícia Militar deve evitar ”envolver-se nessa celeuma”. Muito embora a posição de Eric Seba deve “atingir direta e moralmente todos os integrantes dessa corporação bicentenária”, não isenta a necessidade de Rollemberg se posicionar, à altura, sobre o pronunciamento do diretor-geral da PCDF, por atingir a PM em cheio no DF, e deve repercutir em todo país.

“O mais preocupante nesse episódio é a passividade do governador do DF, Rodrigo Rollemberg. Se tivéssemos um governador efetivamente comprometido com a sociedade a qual governa, a atitude mais coerente, caso se confirme a autoria dos áudios, seria a exoneração sumária de ambos, principalmente do diretor Eric Seba que é reincidente e arrasta consigo o histórico de gravações polêmicas.”, aponta o Blog.

E Rollemberg…

Política Distrital (PD) questionou à Casa Civil, Relações Institucionais e Sociais do DF (SERIS-DF), se Rollembeg deve se pronunciar sobre o caso. Porém sem nenhum retorno até o momento da publicação da matéria.

Com informações de Radar DF, Blog do Poliglota e Sindepo

2

Comentário