Empresa contratada pela PCDF foi reprovada em testes de aptidão técnica em 2016

Print Friendly, PDF & Email

Denúncia do Sinpol-DF aponta que, desde que atual empresa de identificação civil e criminal assumiu, mais de mil laudos deixaram de ser produzidos, frustrando a identificação de autores de crimes como homicídios, latrocínios, estupros, roubos e furtos

A atual empresa contratada pela Polícia Civil do Distrito Federal para prestar os serviços de identificação civil e criminal para o Instituto de Identificação já havia tentado entrar pelo contrato emergencial em maio de 2016 reprovados nos Testes de aptidão técnica, como exames para confecção de identidades civis e análise criminal de fragmentos papiloscópicos, realizados por peritos papiloscopistas do Instituto de Identificação (II). Em nenhum deles a empresa foi aprovada naquela época. A denúncia é do Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol-DF).

Em 2017 foi realizada uma nova chamada pública para prestação dos serviços emergenciais e a exigência dos testes foi retirada pelo Instituto de Identificação. A falta de comprovação de que a empresa teria a expertise necessária para a atividade contratada possibilitou a assinatura do contrato no valor de R$ 2.274.000,00 (dois milhões, duzentos e setenta e quatro mil reais).

Em nova visita ao Instituto na tarde desta quarta, 30, o Sinpol-DF constatou diversos problemas. O principal deles é que as pesquisas de digitais coletadas em locais de crimes não estão surtindo os resultados positivos. Anteriormente, uma média de 30 suspeitos eram identificados por dia. Hoje, o software não consegue individualizar os autores de crimes nos bancos de dados do Instituto. Desde que a empresa iniciou as atividades, mais de mil laudos deixaram de ser produzidos, frustrando a identificação de autores de crimes dos mais diversos, como homicídios, latrocínios, estupros, roubos e furtos em residências, a comércio e de veículos.

Mas não é só isso. A denúncia do Sinpol-DF também aponta que possivelmente algumas carteiras de identidade falsas podem estar sendo produzidas, uma vez que não estão sendo realizadas as pesquisas dactiloscopicas, visando constatar duplicidade de digitais e, neste caso uma pessoa pode retirar documentação oficial, se passando por outra pessoa.

Suspeitos ou até mesmo presos em flagrante, se derem nome errado, acabarão tendo sucesso na ocultação do nome verdadeiro, uma vez que o sistema não consegue fazer a pesquisa pelas digitais. Pessoas procuradas pela polícia normalmente dão nomes falsos. Anteriormente, o sistema utilizado identificava e trazia o nome correto do suspeito por meio das impressões digitais. Hoje não faz isso. Há outras pesquisas que não são realizadas e a direção do Instituto havia prometido uma solução até o dia 30 de agosto. Até o momento não foram resolvidas todas as pendências.

A empresa vencedora da contratação emergencial não presta serviços de análise e identificação criminal a nenhuma outra polícia do Brasil ou do Mundo. Há notícias de que foi reprovada para essas atividades em Tocantins e Goiás. Ela busca de todas as formas uma certificação de que é habilitada a esse tipo de serviço, coisa que até o momento não demonstrou fazer. Caso receba o atestado de capacitação técnica da PCDF poderá participar de licitações em todo o Brasil, com maior facilidade.

Ao permitir que a contratação se concretizasse sem a realização de testes de aptidão técnica e sem atestados de capacidade técnica, o Sinpol-DF explica que a Polícia Civil do DF abriu uma grande oportunidade à nova empresa, que ao longo de dois meses já faz jus à R$ 758.000,00 (setecentos e cinquenta e oito mil reais). Por mês, a PCDF deve repassar R$379.000,00 (trezentos e setenta e nove mil reais). Entretanto, a contrapartida devida pela empresa de tecnologia ainda não foi prestada na totalidade do contrato. Criminosos estão deixando de serem presos. E a impunidade acabará aumentando em razão dessas falhas.

Fonte: Ascom Sinpol-DF

0

Kleber Karpov

@KleberKarpov Jornalista (MTB 10379-DF) Perfil Acadêmico e Profissional Pós-Graduando em Auditoria em Serviços de Saúde (ICESP-DF) Graduado em Jornalismo (ICESP-DF); Ciências Políticas (Veduca/USP); Consultor em Tecnologia da Informação; Consultor em Marketing Político; Coordenador de Campanhas políticas ou institucionais; ex-Assessor Parlamentar na Câmara Federal; Vice-Presidente da Associação Brasiliense de Blogueiros de Política (ABBP); Projetos Pessoais e Sociais: Criador do projeto www.queromeucarrodevolta.com.br (2012), para vítimas de roubos e furtos de veículos; Editor e Apresentador do telejornal Quero Meu Carro de Volta Apresentador do Panorama Político (Rádio Federal) Envie sua sugestão de pauta: Whatsapp: (61) 99606-2984 E-Mail: karpovls@gmail.com

Você pode gostar...

Comentário