Sindate-DF repudia interferência de empresários contra PL que estabelece piso salarial para Enfermagem

66
Print Friendly, PDF & Email

Por Leandro Montes

O Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Distrito Federal (Sindate-DF), vem a público manifestar seu total repúdio a tentativa de interferência do movimento de entidades representativas dos grandes planos de saúde e serviços privados, contra a aprovação do Projeto de Lei 2564/2020, que visa estabelecer um piso salarial para Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares de Enfermagem e Parteiras, atualmente em tramitação no Senado Federal.

A adoção de manobras contra o PL, como têm feito os grandes empresários do setor médico-hospitalar, demonstram a realidade da falta de compromisso com a qualidade da Saúde no país, afetando diretamente o serviço desempenhado, ao agir de maneira a precarizar o trabalho dos profissionais da rede privada de Saúde, com atitudes irresponsáveis na tentativa de obstruir a aprovação de pautas que estão há décadas estagnadas no Congresso Nacional.

Publicidade

É lamentável, que na atual conjuntura caótica da pandemia no país, com mais de 360 mil mortos pela Covid-19, sendo 726 profissionais de Enfermagem, a ação do movimento atenta contra os trabalhadores do setor, buscando enfraquecer quem está arriscando a vida na linha de frente do combate ao novo coronavírus. Afinal, são os profissionais de saúde que estão salvando milhares de brasileiros, vítimas da crescente onda do desaparelhamento do sobrecarregado Sistema Único de Saúde (SUS), severamente sucateado nos últimos anos.

A interferência do movimento de entidades representativas dos grandes planos de saúde e serviços privados contra os trabalhadores merece nosso total repúdio, não sendo inédita a atitude de um setor que sempre negligenciou a Enfermagem, com salários e condições precárias. A valorização dos profissionais é apontada por documentos e estudos no Brasil e no mundo, como ponto primordial para a melhoria da qualidade da Saúde, mas entidades de empresários da rede hospitalar privada sempre agiram na contramão desse caminho, infringindo desgaste físico, psicológico e moral nos auxiliares e técnicos em enfermagem.

O Sindate, como representante dos auxiliares e técnicos em Enfermagem do Distrito Federal, espera que, diante do caótico momento de pandemia, onde a Covid-19 serviu expôs para toda sociedade a importância da Enfermagem como profissão que preza pelo cuidado humano; com o olhar, o toque, a presença, o atendimento preciso, a técnica e a fidelidade do profissional de enfermagem que, mesmo tendo todas as dificuldades, está à frente dos principais procedimentos da área de saúde, que os parlamentares façam valer jus a importância da Enfermagem e aos mais de 400 mil votos favoráveis ao PL, na consulta pública disponibilizada pelo Senado, dando andamento a votações de projetos de lei relativos às lutas da categoria que estão há décadas parados no Congresso Nacional, como o piso salarial, a jornada de 30 horas e o descanso digno.

A entidade enfatiza, portanto, que não poupará esforços na defesa dos trabalhadores, com mobilizações a partir do dia 12 de maio, na Marcha Pela Enfermagem, para evitar que mais uma manobra do setor privado de Saúde sabote a luta da categoria.

*Dados número de profissionais de Enfermagem mortos: Observatório da Enfermagem (COFEN) (acesso em 15/04/2021)

Artigo anteriorAuditoria do TCDF sobre assistência à saúde da PMDF embasa decisão liminar do STF a favor do DF
Próximo artigoDireção do Sindate entrega à Jorge Vianna sugestão de PL que prevê piso salarial para a rede privada