23.5 C
Brasília
18 maio 2024 15:58


DF registra queda na taxa de desemprego em março

Índice diminuiu de 15,9% em fevereiro para 15,5% no mês passado, segundo dados do IPEDF e Dieese; os setores de serviços, comércio e construção foram os maiores colaboradores para a empregabilidade

Por Ian Ferraz

O Distrito Federal apresentou queda na taxa de desemprego entre os meses de fevereiro e março. O índice diminuiu de 15,9% para 15,5%, segundo o Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF), responsável por elaborar mensalmente a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) juntamente com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Os setores de serviços, comércio e construção foram os maiores colaboradores para a empregabilidade.

Em março, dois fatores colaboraram para a diminuição do desemprego. Houve tanto o aumento da população economicamente ativa, ou seja, aqueles que podem ser absorvidos pelo mercado de trabalho, quanto a diminuição de pessoas desempregadas. É justamente com a divisão das pessoas desocupadas pela População Economicamente Ativa (PEA) que se chega à taxa de desemprego.

“O mercado de trabalho absorveu uma grande parte dos trabalhadores nesse mês de março, o que é positivo”

João Pedro Dias, coordenador de Estudos
e Avaliação de Políticas Socioeconômicas do IPEDF

“A gente comemora todo e qualquer índice que aponte a queda no desemprego na capital. Mesmo que em março a taxa de desemprego total no DF tenha sido de 15,5%, houve uma redução de 0,4 ponto percentual (p.p.) em relação ao mês anterior. Além disso, o número de pessoas ocupadas teve um acréscimo de 17 mil, aumento de 1,2% em relação ao mês anterior; isso é importante para a cidade e para a economia”, destaca o diretor-presidente do IPEDF, Manoel Clementino.

“Quando um indivíduo entra na População Economicamente Ativa, ele pode ser absorvido pelo mercado de trabalho e se tornar um ocupado, ou pode não ser absorvido e permanecer no desemprego. Os resultados da PED-DF de março mostram que a ocupação cresceu aproximadamente 17 mil, um número superior ao aumento na PEA, que foi de mais de 15 mil. Isso indica que o mercado de trabalho absorveu uma grande parte dos trabalhadores nesse mês de março, o que é positivo”, explica o coordenador de Estudos e Avaliação de Políticas Socioeconômicas do IPEDF, João Pedro Dias.

O setor de serviços foi o que apresentou o maior crescimento em termos absolutos, contribuindo com 9 mil postos de trabalho

Segundo o gestor, o aumento da População Economicamente Ativa acompanhado da redução da população inativa demonstra que mais pessoas se engajaram no mercado de trabalho. “Possivelmente motivadas por uma percepção de melhoria nas oportunidades de emprego ou por necessidades econômicas”, acrescenta o especialista.

Para se chegar ao resultado, os setores que mais contribuíram foram os de serviços, comércio e reparação, e o de construção. O setor de serviços, com aumento de 0,8%, foi o que apresentou o maior crescimento em termos absolutos, contribuindo com 9 mil postos de trabalho devido à sua grande base de empregados. O de comércio, por sua vez, colaborou com 5 mil novos postos, enquanto o de construção registrou aumento de 3 mil trabalhadores.

A economista e coordenadora da PED pelo Dieese, Lúcia Garcia, reforçou que o cenário econômico tem apresentado um sinal positivo. “A população que resta em desemprego maior, mais prolongado, está estável. Esse segmento de maior dificuldade não só responde mais tardiamente aos movimentos do mercado de trabalho como também apresenta um grupo de pessoas com dificuldades elevadas e geralmente dependentes da política pública”, observa.

Mudança de padrão

Ainda segundo o IPEDF, a pandemia alterou significativamente os padrões de sazonalidade no mercado de trabalho. Geralmente, espera-se uma redução do emprego no início do ano — relacionada às renovações de quadro das empresas e à redução da atividade em alguns setores no primeiro trimestre — seguida de uma recuperação ao longo do ano, a menos que ocorram choques econômicos.

“Em 2024, estamos vendo que o desemprego começou em um nível mais elevado do que o observado no final do ano passado, mas tem apresentado uma tendência de queda nos três primeiros meses. Além disso, os níveis de desemprego e de participação estão melhores do que no mesmo período do ano anterior, o que sugere que estamos percorrendo um caminho de recuperação diferente”, pontua João Pedro Dias.

LEIA TAMBÉM

PD nas redes

FãsCurtir
SeguidoresSeguir
SeguidoresSeguir
InscritosInscrever