CLDF: Audiência pública debate alcance, eficácia e impacto das vacinações no DF

66


Print Friendly, PDF & Email

Parlamentar aponta metas não atingidas em 2018 e aumento de doenças crônicas e mortes entre crianças no mesmo ano

Por Kleber Karpov

Na manhã de quarta-feira (8), o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), preside a audiência pública Alcance das Metas das Campanhas de Vacinação no DF, Eficácia da Vacina Influenza Trivalente e os Impactos Decorrentes da Falta de Prevenção Vacinal, realizada pela Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC) da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

Com estimativa de alcançar no DF, aproximadamente, 778 mil pessoas, durante a Campanha Nacional de Vacinação desse ano, de 10 de abril a 31 de maio, ao requerer a audiência pública, Vianna, lembra que a capital do país deixou de atingir as metas em 2018. Isso nos grupos de crianças, gestantes e puérperas.

Segundo o parlamentar, a evasão de cobertura vacinal essa que resultou, entre as crianças, em maior taxa de hospitalização, ao confrontar dados do Informe Epidemiológico nº 52, da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), que registrou, em 2018, um total de 1034 casos de síndrome respiratória aguda grave, dos quais 55 resultaram em óbitos.

Publicidade

Vianna se lembra ainda, da necessidade de se abordar as Fake News contra a eficiência das vacinas. “Temos uma onda grande de pessoas que publicam ou replicam falsas notícias sobre a ineficiência das vacinas e tentam sabotar campanhas de vacinações, o que é extremamente prejudicial à saúde das pessoas.”, disse ao ponderar que “a audiência pública tem por finalidade, se aprofundar nas discussões relativas a campanhas de vacinação, abrangência e consequência da evasão na cobertura vacinal no DF, além de apresentar soluções que possam ser implementadas na nossa cidade.”, concluiu.

Para isso, no intuito de enriquecer os debates, a convite da CESC, presidida por Vianna, devem participar das discussões, a médica pediatra, alergista e imunologista, membro da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBINm), doutora, Claudia França Valente, além da professora de Economia da Saúde do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper/SP).

Fonte: Jorge Vianna