No lucro: Racha entre policiais militares e civis fortalece os representantes das duas categorias

204
Print Friendly, PDF & Email

Por Sandro Gianelli 

Crise na caserna

A relação entre a Polícia Militar e a Civil não esta nada boa no Distrito Federal. O racha entre as corporações é antigo, mas se intensificou durante as eleições. Fraga que foi candidato ao GDF tinha em sua coligação o PR de Laerte Bessa. Porém, Bessa se recusou a apoiar o coronel da PM.

Publicidade

Dissidentes

Bessa foi contra a decisão partidária e apoiou Ibaneis Rocha (MDB). Fraga e Ibaneis estavam no mesmo grupo político, ambos os partidos apoiavam a candidatura de Frejat, que além de médico, também é da Polícia Civil.

Sem cadeira no Congresso

Nem a PM e nem a Civil elegeram deputados federais. Em 2014, Fraga foi o mais votado com 155.056 votos e puxou Bessa que teve 32.843 votos. Apesar da ajudinha do amigo militar, a relação entre o delegado e o coronel sempre foi estremecida.

Vias de fato

Ontem (12), a dupla de policiais protagonizaram um bate boca que quase terminou nas vias de fato. O fato ocorreu durante Sessão na Câmara dos Deputados. O vídeo fez um tremendo sucesso nas redes sociais.

Cabo de guerra

Fraga se irritou com a decisão de Ibaneis de por um fim a Casa Militar e criar o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). A decisão põe mais lenha na fogueira entre PM e Civil. A criação do GSI tira poderes da PM e empodera a Civil.

Comandante

Quem será nomeado como comandante do GSI – parece papo de PM – será o Delegado Laerte Bessa. Durante a Sessão, Fraga falou o que quis, ouviu o que não quis. Bessa seguiu o mesmo caminho e foi tirar satisfação do Coronel enquanto ele usava a palavra. Dois canas de pavio curto e o fim não poderia ser diferente. Empurra pra lá, empurra pra cá e a turma do deixa disso agiu rapidinho.

Na bronca

Saindo do plano nacional e voltando para o plano local, o Subtenente da PM e deputado distrital eleito para a legislatura de 2019 a 2022, Hermeto (PHS), também ficou na bronca com a decisão do governador. E não foi a primeira vez. Semana passada a bronca era outra: a nomeação de uma mulher para comandar a PM.

Faltou diálogo?

O fato da nova comandante ser mulher não é o foco das queixas. O problema é que o distrital e as associações de representação dos militares não foram ouvidos pelo governador.

Papo bom

Hermeto resolveu na base do diálogo. Sentou com o governador e bateu um bom papo sobre a categoria – PM e Bombeiros. Ao sair da reunião, gravou um vídeo tranquilizando os militares de que ouviu da boca do governador que não haverá privilégios para uma categoria sem que a outra seja atendida.

Histórico

PM´s e Civis vivem esse cabo de guerra há um bom tempo. Ao longo dos anos a Civil se organizou politicamente e obtiveram grandes feitos. A PM, quase sempre teve representantes, mas não teve os mesmos resultados. Essa disputa não começou no governo Ibaneis e nem deverá se encerrar nele. Dialogo e juízo de ambas as partes não custa nada. Mas para os envolvidos – leia-se os políticos – o enredo é de lucro para todos os lados. Todos se sentem representados com cenas desse tipo.

Fonte: Conectado ao Poder

Artigo anteriorTerceira edição do ‘Bafafá entre Amigos’ recebe políticos eleitos do DF
Próximo artigoInstituto Hospital de Base entra na mira do Tribunal de Contas do DF após, denúncia de MP