Dilma tem maior queda de popularidade no Nordeste, diz pesquisa Ibope

47
Print Friendly, PDF & Email
Por Leandro Prazeres

A queda mais forte da popularidade da presidente Dilma Rousseff (PT) de acordo com a pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgada nesta quarta-feira (1º) aconteceu na região Nordeste, onde a petista tradicionalmente tinha seus melhores índices de aprovação. Entre março e junho deste ano, o número de entrevistados nordestinos que avaliavam o governo Dilma como “ótimo ou bom” caiu de 18% para 13%. A região Sudeste é onde a presidente tem a pior avaliação, de acordo com a pesquisa, que tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O Nordeste também apresentou tendência de alta no percentual dos entrevistados que avaliam o governo Dilma como “ruim ou péssimo”. Em março de 2015, esse índice era de 55%. Em junho, o percentual chegou a 63%.

Na região Sudeste, apenas 8% dos entrevistados em junho classificavam o governo Dilma como “ótimo ou bom”. Em março, esse índice era de 11%. O percentual dos que avaliavam o governo como “regular” saiu de 22% para 18% entre março e junho. No mesmo período, o índice dos que avaliavam o governo Dilma como “ruim ou péssimo” no Sudeste foi de 68% para 74% no mesmo período.

Publicidade

A região Sul, que antes da pesquisa divulgada nesta quarta-feira, era a região onde Dilma amargava os piores índices de popularidade, foi a única em que aprovação à presidente apresentou tendência de alta. Em março deste ano, apenas 8% dos entrevistados classificavam o governo Dilma como “ótimo ou bom”. Em junho, este índice subiu para 10%. Os que avaliavam o governo como “regular”, saíram de 22% para 24%, e os que avaliavam o governo como “ruim ou péssimo” saíram de 71% para 67%.

Renda

O apoio à presidente Dilma entre os eleitores com menor renda também registrou uma tendência de queda. Em março de 2015, 17% dos entrevistados com renda de até um salário mínimo consideravam o governo “ótimo ou bom”. Em junho deste ano, esse índice é de 15%. Já os entrevistados com renda até um salário mínimo que consideram o governo Dilma “ruim ou péssimo” saiu de 60% em março, para 70% em junho.

Segundo o gerente de pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, a popularidade da presidente Dilma e de seu governo estão sofrendo os efeitos do quadro político e econômico.

“A gente percebe, até pelas notícias, que você tem dois fatores negativos: o lado econômico, com aumento do desemprego, inflação ainda muito alta, o ajuste fiscal acirrando essa questão, pois a correção passa exatamente pela correção da demanda, e o lado politico com toda a questão da corrupção, toda a questão da disputa no congresso”, disse.

Fonte: UOL Notícias

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Artigo anteriorCâmara aprova em 1º turno redução da maioridade penal em crimes hediondos
Próximo artigoRejeição a governo Dilma chega a 68% e bate recorde, aponta Ibope