Rollemberg decreta ‘Situação de Emergência’ na Saúde do DF

82
Print Friendly, PDF & Email

Durante a medida governador informa que também pediu a judicialização da greve dos médicos da Secretaria de Estado de Saúde do DF.

Conforme foi antecipado pelo Política Distrital, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) decretou na Situação de Emergência na noite da segunda-feira (19). O caso acontece em meio a maior crise financeira instaurada no Distrito Federal, deixado pelo antecessor de Rollemberg, Agnelo Queiroz (PT). O decreto tem validade de 180 dias e deve viabilizar ao GDF prover a Secretaria de Estado de Saúde as condições necessárias para garantir o atendimento da saúde pública do DF.

A Saúde do DF é uma das pastas mais delicadas do atual governo e enfrenta problemas que  vão desde a falta médicos, técnicos e auxiliares, ao desabastecimento de produtos e serviços em decorrência das dívidas da SES-DF para com os fornecedores. A Secretaria sobrevive por meio ao improviso e às ameaças de paralisação de setores importante dos hospitais e demais unidades de saúde.

Publicidade
10933790_801847283203785_8513099805064606969_n
Servidora utiliza sacola em substituição de máscara

O impacto atinge diversas áreas da SES-DF e deixa as unidades de saúde do DF em situação crítica: manutenção de ar condicionado, caldeiras, veículos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) que param por falta de reparo; falta de insumos hospitalares, de gases hospitalares são alguns dos vários problemas enfrentados na Secretaria. Até a segurança nas unidades pode ficar comprometida por falta dos agentes de portarias que são de empresas terceirizadas.

A frente do GDF Rollemberg encontrou unidades desabastecidas de remédios básicos, leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) fechados e dívidas com servidores (décimo terceiro salário, férias, abonos). Segundo Rollemberg: “Herdamos um conjunto enorme de problemas. O governo anterior nos levou ao caos e nos obrigou a adotar essa medida que visa a retomar a normalidade na saúde”, desabafa.

O que muda com a Situação de Emergência?

A medida permite aos gestores da pasta comprar medicamentos e insumos com dispensa de licitação. Eles também poderão convocar médicos e enfermeiros lotados em qualquer órgão do governo para auxiliarem no atendimento de pacientes em hospitais e outras unidades da rede. Paralelamente, uma força-tarefa será formada com o intuito de revisar e auditar todos os contratos firmados nos últimos anos pela Secretaria de Saúde.

Veja os principais pontos do decreto que entra em vigor nesta terça-feira (20 de janeiro): 

  • Contratos firmados na gestão anterior serão revisados e auditados
  • As escalas de servidores serão revistas e eles poderão ser designados para postos de atendimento emergencial
  • O secretário de Saúde pode requisitar servidores de toda a administração pública para auxiliar em unidades hospitalares
  • Profissionais da área de saúde da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros podem ser chamados para auxiliar na rede pública
  • Medicamentos e insumos podem ser adquiridos em caráter emergencial
  • Serão elaborados acordos de cooperação técnica com a União, estados e municípios visando à racionalização das despesas e à otimização dos recursos

Greves na Saúde

Na última semana Rollemberg recorreu à Justiça para pedir a ilegalidade da greve dos servidores de mais de 100 categorias da Saúde. Ontem o GDF buscou novamente o Judiciário para pedir a decretação da ilegalidade da greve dos médicos, que teve início em 16 de janeiro. Na ocasião do anúncio das medidas tomadas em relação à saúde, o Governador voltou a pedir a compreensão à categoria: “A greve, neste momento, não ajuda em nada o processo. Mais uma vez apelamos ao bom senso e esperamos construir um ambiente de diálogo e cooperação permanente”, declarou Rollemberg.

Brasilia, DF, Brasil, 02/01/2015 - (Foto: Andre Borges/ Agencia Brasilia)O tamanho do ‘buraco’ na SES

O secretário de Saúde, João Batista de Sousa, expôs números que demonstram o déficit nas contas da Secretaria. De acordo com Batista: “A rede, hoje, está desmontada. Temos um déficit referente a 2014 de R$ 720 milhões. Fora isso, a dívida com fornecedores e prestadores de serviço gira em torno de R$ 600 milhões e mais R$ 100 milhões pendentes com servidores. Todos esses valores serão auditados”, detalhou Batista.

Suporte do Governo Federal 

Com a decretação da Situação de Emergência, o GDF deve recorrer ao governo federal, por meio do Ministério da Saúde e da União para obter suporte financeiro e de recursos humanos para garantir a normalização do atendimento da saúde pública no DF.

 Com informações de Agência Brasília

Artigo anteriorCaixa de Pandora
Próximo artigoServidores da Educação rejeitam proposta do governo. Contrapropostas deve afetar também os profissionais da Saúde