A saúde agora tem um representante, afirma Jorge Vianna, eleito para a CLDF

845
Print Friendly, PDF & Email

Em comemoração em Samambaia, vice-presidente, licenciado, do Sindate-DF, lembrou a dificuldade para realizar campanha e promete atuar em prol de todos os servidores e usuários da Saúde Pública do DF

Por Kleber Karpov

Eleito com 13.070 votos, a uma das 24 vagas para deputado distrital, o vice-presidente, licenciado, do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (SINDATE-DF), Jorge Vianna (PODEMOS), se emocionou e prometeu trabalhar em prol dos servidores e dos usuários da Saúde Pública do DF.

Na terceira tentativa de conseguir uma vaga na Câmara Legislativa do DF (CLDF), Vianna lembrou as dificuldades ao longo do percurso. O sindicalista agradeceu ainda o esforço e empenho, dos profissionais de saúde por acreditar na necessidade de se ter um representante no Legislativo, para defender os interesses da categoria.

“Não tenho palavras para descrever isso que estamos passando. Foram vários anos, eu lutando por alguma coisa que eu acredito. Lutando pelos servidores das Saúde e pelos sistema público de saúde. Em todos os meus discursos eu falava:  -Está faltando um deputado que fale de saúde. Muitos deputados lá ajudam a saúde, a gente sabe disso, e eu agradeço, mas quando você tem um deputado que sabe falar a língua do trabalhador, é diferente. Por isso que essa comunicação nunca foi efetiva. Por isso que nunca nós falávamos e o parlamento ouvia e executiva pois eles não sabiam o que nós estávamos falando. Agora vocês têm um deputado que sabe o que um AOSD, um técnico, um enfermeiro, um médico está passando, porque eu convivo com todo mundo, então os trabalhadores da Saúde tiveram um grande ganho. Eu serei um instrumento, um elo entre os trabalhadores e o Executivo.”, disse.

Publicidade

Vianna finalizou a fala Vianna mencionou que, “Eu no SAMU eu salvei uma, duas, três vidas, mas na Câmara Legislativa eu vou salvar milhares de vidas.”, disse ao observar que pretende dedicar o mandato, além dos servidores, aos usuários da Saúde Pública do DF.

Convergência

Ao Política Distrital (PD), Vianna lembrou o que chamou de “tentativas de sabotagens” à corrida eleitoral, porém, afirma que o momento é de se pensar a categoria. “Essa foi uma batalha árdua, nós trabalhamos com poucos recursos e tivemos que lidar com tentativas de sabotagens, muitas vindas de profissionais da Saúde, mas felizmente, Deus nos abençoou, pois esse mandato não será meu, mas de todos os servidores da Saúde do DF, dos servidores da rede pública, dos servidores da rede privada e, também, da população. Finalmente a saúde terá voz na Câmara Legislativa .”, disse.

Respeito a servidores e usuários

Questionado sobre como deve ser a relação com o Executivo, Vianna também lembrou o que chamou de “massacre” cometido pelo atual ocupante do Buriti, o governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB) em relação aos servidores e aos usuários da Saúde e brincou ao observar que Rollemberg deve se “aposentar” ainda nesse ano.

“Tive o desprazer de ter atuado em 2014, na eleição desse governador que aí está, que promoveu um verdadeiro massacre para os servidores da saúde, retirando direitos, dando calote, retirando benefícios, e precarizando ainda mais a saúde do Distrito Federal. Mas eu tenho certeza, já que ele conseguiu chegar ao segundo turno, que ele deve se ‘aposentar’ em breve.E no novo governador que assumir  nós vamos atuar para que os servidores possam trabalhar em um ambiente com estrutura adequada, sendo tratados com respeito e dignidade. Pois o governador Rodrigo Rollemberg tem tratado os servidores e usuários como animais. E nós sabemos que se os servidores trabalham em condições apropriadas, certamente os pacientes serão os maiores beneficiados”, concluiu Vianna.

Projetos

Durante as eleições, Vianna foi o responsável por organizar e coordenar a composição de um plano de governo voltado à Saúde, para o então candidato ao GDF, Rogério Rosso (PSD). Porém, o sindicalista deve apresentar Projetos de Leis para tentar aprovar, via Legislativo, as propostas constituídas por profissionais de Saúde de várias categorias da Saúde do DF, a exemplo de médicos, enfermeiros, AOSDs, técnicos de enfermagem, administrativos, de laboratório, nutricionais, profissionais do SAMU, entre outros.

Para a população, Vianna também tem projetos que deve defender na CLDF, a exemplo da possibilidade de os usuários do SUS poderem pegar medicamentos em farmácias, caso falte na rede pública de Saúde. “Se não houver o medicamento na rede pública, em vai em drogarias conveniadas, recebe o medicamento e depois o governo paga a essa farmácia.”, explicou.

0

Comentário