Enfermeiras do HRT eternizam o momento do parto por meio da arte

A equipe faz o carimbo da placenta e o entrega à mãe após o nascimento do bebê

Print Friendly, PDF & Email

Iniciativa faz parte das atividades educativas desenvolvidas pela equipe de enfermeiras obstetras do hospital

Para tornar ainda mais especial a lembrança do parto, a equipe de enfermeiras obstetras do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) decidiu eternizar o momento com o carimbo da placenta das pacientes que dão à luz no local. Entregue às mães logo após o nascimento do bebê, o presente é uma arte comum entre as enfermeiras obstetras e faz parte das ações educativas sobre a gestação e o parto.

Lembrança é quase um documento artístico do momento em que a criança chegou ao mundo | Fotos: Divulgação/Agência Saúde

“Geralmente oferecemos o carimbo de placenta durante os partos de risco habitual, como uma maneira de eternizar o parto e torná-lo ainda mais humanizado, além de ser uma ação educativa para a mulher conhecer o órgão, expelido pelo corpo após o nascimento”, explica a enfermeira obstetra Fernanda Garcia, uma das idealizadoras da ação.

Atualmente, 15 enfermeiras obstetras atuam no centro obstétrico do HRT. A entrega do carimbo de placenta começou em abril de 2021. Fernanda diz que nem sempre é possível fazer o carimbo de todas as pacientes, já que a arte que requer tempo, material e depende muito da quantidade de pacientes no plantão.

Publicidade

“É um trabalho ao qual precisamos dedicar tempo, por isso é uma doação concedida pelas enfermeiras obstetras, dentro das próprias possibilidades”, explica. Além das 15 enfermeiras obstetras, há também uma técnica de enfermagem que auxilia na confecção das artes. A ideia da equipe é, posteriormente, fazer também o carimbo dos pés dos recém-nascidos.

Iniciativa agrada

A advogada Eduarda Vieira, 26 anos, teve o registro do nascimento da filha, em novembro, guardado também por essa homenagem. “Fui muito bem-acolhida pelas equipes”, conta. “Foi algo mágico, indescritível. Eu amei a iniciativa das enfermeiras ao fazer essa arte. Poderei mostrá-la para a minha filha e terei sempre uma boa lembrança ao vê-la”.

Em 26 de outubro do ano passado, Thaís Sampaio, 22 anos, deu à luz o primeiro filho no HRT. Feliz com a arte que marca a chegada do pequeno Estevão ao mundo, ela fez uma moldura e colocou o carimbo da placenta em um quadro. Gostou tanto da ideia que pretende fazer o mesmo no nascimento dos próximos filhos.

“Eu me senti muito especial recebendo o carimbo da placenta”, diz. “Fiquei muito feliz pelo atendimento recebido. Acho que iniciativas assim deveriam chegar a mais mães, pois é uma sensação maravilhosa. Toda equipe que se disponibiliza a tornar o parto tão especial está de parabéns.”

Momento especial

Às mães que perderam os seus bebês no processo de aborto ou óbito fetal, também é oferecido o carimbo da placenta ou dos pezinhos, caso desejem ter uma lembrança.

“Buscamos atender todas as pacientes de óbito fetal ou aborto espontâneo, pois é uma maneira de eternizar aquele nascimento”, explica Fernanda Garcia. “Além disso, acalenta um pouco o sofrimento da mãe que não pode levar seu filho para casa. Para algumas mulheres, isso auxilia no processo de luto”, enfatiza

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorGrafite transforma muros de escolas do GDF em telas a céu aberto
Próximo artigoSejus Mais Perto do Cidadão realiza 3 mil atendimentos em Planaltina