Grafite transforma muros de escolas do GDF em telas a céu aberto

Arte urbana contribui para conscientização dos alunos e valorização dos artistas da cidade

73
Print Friendly, PDF & Email

Por Lúcio Flavio

Cores e traços que encantam e dialogam. Mais do que isso, são formas lúdicas que, além de hipnotizar, têm a função também de educar. É o que revelam muitos dos muros das escolas públicas do DF, verdadeiras telas a céu aberto, fruto da imaginação fértil e lírica de grafiteiros e artistas visuais da cidade.

Um desses trabalhos mágicos, por sinal, estampado no muro da Regional de Ensino do Guará, fisgou, de “jeito”, a jornalista e cronista Conceição Freitas. Trazia a singela figura de Lucio Costa, um dos “inventores” da nova capital, segurando um livro. Ela postou a imagem nas suas redes sociais e a foto simplesmente bombou.

Publicidade

“Acompanho há muitos anos os grafites pela cidade, eles mudaram muito, estão mais figurativos, de uma perfeição surpreendente”, elogia. “Grafite é arte de rua, de resistência da periferia, é a ocupação da cidade pelos brasilienses que aqui nasceram, está no rastro do hip hop”, observa a jornalista que, como poucos, lança um olhar sensível para a cidade.

Arte na fachada da Regional de Ensino do Guará é do artista plástico Douglas Okada, o Minoru, que nasceu em Taguatinga

Várias escolas no DF adotaram muros ilustrativos que interagem de forma impactante com vários atores da sociedade. São artes que encantam alunos e pais, professores ou simplesmente quem passa pela rua. Trata-se de uma tradição que remonta os primórdios das civilizações gregas e romanas, ressurgindo com força total no século 20, graças ao talento de artistas como os espanhóis Picasso e Miró, sem esquecer o muralista mexicano Diego Rivera.

No Brasil, as pinturas não apenas de muros, mas de outros espaços públicos, também conhecidas como street art, ganharam peso internacional por meio de nomes de talento, como o artista Eduardo Kobra. Nascido em Taguatinga, o artista plástico Douglas Okada, o Minoru, já deixou sua marca em vários muros da cidade. É dele, por exemplo, a arte da fachada da Regional de Ensino do Guará. “Acho importante esse trabalho de ocupação, tentamos dar vida a esses espaços e sempre representar nas pinturas muita alegria e positividade”, destaca.

“Você chegar a uma escola ou em um ambiente de trabalho e ver um trabalho como esse, cheio de cores e que dialoga com o universo que você trabalha, com temas da sociedade, colabora com a atividade pedagógica” – Leandro Andrade, coordenador da Regional de Ensino do Guará

Conscientizar

Para o coordenador da Regional de Ensino do Guará, Leandro Andrade, os trabalhos de arte nos muros de algumas escolas públicas do DF vão além da contemplação artística. São desenhos que passam mensagens, têm a missão de conscientizar alunos e, porque não, a sociedade, sobre temas com inclusão social, as minorias, a importância da natureza, dos esportes e, claro, da própria educação.

“São traços que saltam aos olhos”, empolga. “Você chegar a uma escola ou em um ambiente de trabalho e ver um trabalho como esse, cheio de cores e que dialoga com o universo que você trabalha, com temas da sociedade, colabora com a atividade pedagógica. Você já está passando um recado sem falar nada”, defende.

No Centro de Ensino Fundamental da 412 de Samambaia, o colorido vibrante dos grafites do Coletivo Motirô surge como uma poderosa ferramenta de conscientização. É o que explica o diretor da escola, Castrino Alves Cornélio. “A nossa preocupação foi com a linguagem, fazer um tipo de arte que dialogasse com os alunos, manifestasse uma comunicação positiva”, conta. “Tem dado certo. Desde que a estética vibrante e colorida entrou na CEF 412, as ações de pichação e inscrições acabaram, ajudou na conservação dos muros das escolas”, revela.

Para o coordenador da Regional de Ensino do Guará, Leandro Andrade, a arte nos muros ajuda a conscientizar a sociedade

O Coletivo Mutirô é uma organização não governamental de Samambaia que busca promover ações contínuas em escolas públicas da região, nos eixos de capacitação profissional, esportes, cultura e educação. Para tanto, uma oficina sobre grafite foi realizada com alunos que tivesse expertise ou interesse em grafite em 2019.

Na época da pandemia, quando as aulas estavam paralisadas, as pinturas foram feitas no muro da escola com ajuda de artistas da cidade. “A gente sempre entendeu a importância de estar nas escolas, acreditamos na força do trabalho contínuo”, explica a coordenadora geral do grupo, Izabella Moura. “Os resultados foram muito bons, houve realmente um sentimento de pertencimento para esses alunos do ambiente escolar”, diz.

Além de valorizar, de maneira criativa, a ocupação de espaços físicos, a iniciativa enaltece e potencializa talentos não apenas do grafite, como também do hip hop. Em 2021, foram cerca de R$ 336 mil investidos no segmento

A alegria e a energia visual do grafite também fazem parte do dia a dia das escolas de Santa Maria. É o caso dos muros dos centros de ensino fundamental da 417, 310, 116 e na gigante fachada da 308, que mistura temas diversos que vão da fauna, flora brasileira, passando pela história de Brasília e referências a personalidades brasileiras e internacionais como Monteiro Lobato, Machado de Assis, Albert Einstein, Nelson Mandela, Paulo Freire e Cora Coralina. A frase: “A educação não tem preço. Sua falta tem custo”, resume a importância da educação e cultura na vida de cada aluno.

“Essas intervenções que os artistas fazem mudam a cara da escola, deixando os espaços mais atrativos, o que é muito bom não apenas para os alunos, mas para toda a comunidade também”, avalia o coordenador da Regional de Ensino da cidade, Claudiney Formiga Cabral.

Contornos lúdicos

Aberta a todas as tendências, linguagens artísticas e movimentos, a Secec abraçou a arte urbana no DF, promovendo a cultura do grafite pela cidade | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Em outros espaços de ensino do DF, o estilo arrojado e alternativo conhecido da maioria das artes de grafite ganha contornos lúdicos tocantes. Às vezes, acompanhadas de referências educativas preciosas, marcantes até. É o que acontece, por exemplo, nos muros do Centro de Ensino Fundamental 2 da Estrutural, em que a diretora Juliana Gomes de Assumpção acredita incentivar o interesse pela arte, cultura e, claro, educação, homenageando dois clássicos da literatura por meio de trabalhos belíssimos.

“Essas intervenções que os artistas fazem mudam a cara da escola, deixando os espaços mais atrativos, o que é muito bom não apenas para os alunos, mas para toda a comunidade também” – Claudiney Formiga Cabral, coordenador da Regional de Ensino de Santa Maria

Um deles, o marco do movimento regionalista, “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos. O outro, reproduções do lírico “O Menino que Descobriu Brasília”, de Regina Célio Melo. Cortesia do trio de artistas Astro, Best e Kbeça. “As crianças percebem a interação entre escrita e desenho”, esmiúça a diretora. “E aguçam sua busca por mais informações sobre esse tipo de arte”, acredita.

Na parte interna da escola, mais um festival de cores que interfere de forma positiva no dia a dia dos jovens. Assinadas, de novo, pelo artista Minoru, as pinturas exaltam a cultura e o esporte por meio de sapatilhas de bailarinas que voam, passos de tango que riscam o piso, movimentos de Bruce Lee e do pugilista brasileiro Popó. “São trabalhos muito bonitos mesmo, que encantam não apenas as crianças, mas nós, os pais”, aplaude Gizella Bastos, mãe de duas crianças matriculadas no CEF 2 da Estrutural.

Valorização da arte urbana

Aberta a todas as tendências, linguagens artísticas e movimentos, a Secec abraçou a arte urbana no DF, promovendo a cultura do grafite pela cidade. O primeiro passo nesse sentido foi promover a seleção de artistas do gênero para realizar a intervenção no viaduto da Galeria dos Estados.

Além de valorizar, de maneira criativa, a ocupação de espaços físicos, a iniciativa enaltece e potencializa talentos não apenas do grafite, como também do hip hop. Em 2021, foram cerca de R$ 336 mil investidos no segmento. As ações foram gestadas pela Subsecretaria de Economia Criativa (Suec).

“Levar a arte do grafite às ruas é trazer aos olhos a alma dessa cidade diversa”, reflete o secretário de Cultura, Bartolomeu Rodrigues. “Trabalhamos pelo fortalecimento dos valores da cultura hip hop, em que um dos principais propósitos é o resgate social”, pondera.

Fortalecendo esse conceito, em dezembro de 2021, a Secec selecionou 27 artistas urbanos para trabalhar no projeto “W3 – Arte Urbana”. Realizado entre os dias 27 e 28 de novembro e 4 e 5 de dezembro, a iniciativa coloriu de matizes variadas um dos setores mais populares da capital. O resultado foi uma gama eclética de estilos e gêneros que resultaram numa experiência sensorial mágica. “A Secec comprou a minha ideia, valorizou o meu trabalho, o que me deixou com muito orgulho de mim”, agradeceu na época o grafiteiro, Douglas Retok.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorCofen rejeita portarias que permitem graduação a distância em Enfermagem
Próximo artigoEnfermeiras do HRT eternizam o momento do parto por meio da arte