Com 120 leitos vazios, distrital quer cessão de unidade da Rede Sarah para GDF atender pacientes com coronavírus

2827
Print Friendly, PDF & Email

Denúncias apontam subutilização da unidade do Lago Norte

Por Kleber Karpov

O deputado distrital, João Cardoso (AVANTE), sugeriu durante sessão da Câmara Legislativa do DF (CLDF) (30/Mar), a sessão de 120 leitos da Rede Sarah para o GDF. O deputado aponta que recebeu denúncia que a unidade do Sarah, no Lago Norte, mantém 60 apartamentos, totalmente vazios, espaço que poderia ser utilizado pelo governo do Distrito Federal, para tratar pacientes contaminadas pelo coronavírus (COVID-19).

“Recebi um vídeo, um comunicado de três médicos, que temos no Sarah do lago norte, 64 apartamentos. Eu vi esse vídeo, claro que não posso atestar totalmente a veracidade, e pedi para a minha equipe fazer o levantamento, 64 apartamentos vazios. Temos 120 leitos, isso é claro no vídeo. É um pavilhão todo, na Rede Sarah Hospitalar, vazio. Ora, nessa época do coronavírus, eu rogo que a gente possa fazer gestão junto ao Sarah para que a gente possa abrir ao governo do Distrito Federal, porque parte do dinheiro que mantém o Sarah vem de todos os nossos impostos.”, disse João Cardoso.

Governo federal

Questionado sobre a utilização da estrutura da Rede Sarah, para auxiliar no combate ao coronavírus (1o/Abr), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falou que todas as unidades de saúde podem ser utilizadas, mas no caso em específico depende de negociação do governo local com a rede.

“Não há nenhuma unidade hospitalar que não possa ser usada nesse momento. A Rede Sarah pode ser uma opção para o gestor local. No caso do Distrito Federal, ele [governador Ibaneis Rocha (MDB)] dialogue com a Rede Sarah. Mas nós temos que pensar o seguinte. Temos milhares com pessoas com deficiência. Essas pessoas com deficiência merecem e precisam de atendimento diferenciado.“, disse ao alertar que o país tem milhares milhares de pessoas deficientes que “merecem e precisam de atendimento diferenciado”.

Unidades subutilizadas e desvio de finalidade?

Porém, além os 60 apartamentos vazios da unidade do Lago Norte, mencionados por João Cardoso, coincide com outras denúncias recebidas por Política Distrital (PD), que já abordou problemas pela Rede Sarah, e, também, em matérias publicadas pelo site de notícias Quidinovi.com (Veja aqui), em que, por diversas ocasiões, o veículo denunciou a ociosidade e abandono de espaços da Rede Sarah (Veja aqui).

PD teve acesso a um vídeo, de fonte sob sigilo de identidade, que mostra as condições de abandono da unidade da Rede Sarah no Lago Norte.

Fonte: Cedido ao Política Distrital

Questionada sobre o funcionamento do local, a informação é que o espaço passou a atender para-atletas de alta performance.

“Estão com perfil de para-atletas, apesar de eles já terem Centro Olímpico em Brasília. Transformaram enfermarias em academia de musculação. Desvio de finalidade?”, questionou.

Confira os vídeos de QuidNovi Brasil

Fonte: QuidNovi Brasil

Fonte: QuidNovi Brasil

Fonte: QuidNovi Brasil

Outros estados

A Rede Sarah é um Serviço Social Autônomo (SSA) instituído pelo governo federal, referencial em atendimentos de alta complexidade. Com um orçamento invejável e recebimento ‘garantido’ de recursos provenientes de emendas parlamentares, nos últimos anos, o SSA passou a se tornar alvo de diversas denúncias.

Vale observar que, além da unidade no Lago Norte, a Rede Sarah mantém um prédio de cinco andares, no centro da capital do país, além de unidades em oito estados brasileiros, em Belém (PA), Salvador (BA), São Luis (MA), Fortaleza (CE), Rio de Janeiro (RJ), Macapá (AP) e Belo Horizonte (MG). As unidades, em geral, são utilizadas para tratar a reabilitação de pacientes, com fisioterapia e atividades que ajudam na recuperação dos movimentos e da fala, mantidas com recursos do governo federal.

O que diz a SES-DF

Questionada sobre possível reivindicação do espaço ocioso e, supostamente, em desvio de finalidade da Rede Sarah, por meio de nota a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), informou que não descarta nenhuma possibilidade.

“Todas as possibilidades são avaliadas diariamente e as medidas são tomadas de acordo com o cenário da doença apresentado no DF. Ampliação dos leitos ambulatoriais e de UTI da rede pública e privada fazem parte dessas medidas.”.

O que diz a Rede Sarah

PD tentou contato telefônico, com a administração da Rede Sarah por telefone, porém, sem sucesso, até o momento da publicação da matéria. O veículo disponibiliza o espaço a gestora da unidade para que possam dar seu posicionamento.