Sindicato Itinerante: HRAN absorve demandas do IGES-DF

794
sindmedico
sindmedico


Print Friendly, PDF & Email

Agora Instituto, Hospital de Base limita porta de entrada. Pacientes vão para o HRAN

Superlotado, o Hospital Regional de Asa Norte (HRAN) ainda permanece como uma das principais frentes de assistência à Saúde do Distrito Federal. No entanto, apesar dos esforços da equipe, entre médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem, o déficit de profissionais na unidade, a evidente falta de investimentos e, também, a limitação na porta de entrada no IGES-DF, prejudicam o atendimento. As denúncias foram feitas ao presidente do SindMédico-DF, Dr. Gutemberg, em visita durante o Sindicato Itinerante, nesta segunda-feira (27).

Na semana passada, contaram os servidores do HRAN, foi necessário restringir os atendimentos. Isso porque há sobrecarga de pacientes internados, tanto na clínica médica quanto na pediatria. A escassez de médicos pediatras, aliás, é um dos principais problemas da unidade. De acordo com denúncias, muitos estão se aposentado. Porém, não há reposição dos profissionais. “A emergência da pediatria está atendendo apenas pacientes classificados como vermelho na triagem. Ou seja, apenas casos graves. Porque não tem médico. É apenas um por plantão”, disse uma servidora, mostrando a escala para o presidente do SindMédico-DF, Dr. Gutemberg.

No último sábado, relatou um servidor, havia 130 pacientes internados no pronto-socorro. Detalhe: a área possui capacidade para 58 leitos. “O IGES-DF está refugando tudo. Estão, literalmente, ‘selecionando’ quem irão atender. E, aqui, o desespero é tanto que um especialista atende outra especialidade. Tem endocrinologista atendendo ginecologia. Não temos a estrutura de lá. Não temos capacidade para ser o Base (IGES-DF)”, denunciou. Na radiologia, médicos contaram ainda que o tomógrafo do hospital, o mais moderno da rede, está quebrado por falta de contrato de manutenção. “É um absurdo”, comentaram. Vale ressaltar que, quando funcionando, o aparelho tem capacidade para realizar 80 exames por dia.

E caos se espalha às outras áreas do HRAN. Na cirurgia vascular, médicos têm de lidar com a falta de material para realização de procedimentos. Segundo denúncias, hoje há aproximadamente mais de 3 mil pessoas aguardando por cirurgias no HRAN. Além disso, e também como em outras especialidades, há o déficit de profissionais.

Publicidade

“O que vimos aqui não é diferente do que encontramos em outros hospitais. Isso que o HRAN tem uma das melhores estruturas do SUS-DF. No entanto, sem investimento em manutenção, em material e em profissionais, tudo isso se perde. Ainda no início da implantação do IGES-DF, avisamos: irão restringir a porta de entrada. E pelos relatos que ouvimos aqui é exatamente isso que tem ocorrido. Na contramão disso, porém, o governo não contrata novos médicos. Não dá condição para que eles trabalhem”, avalia o presidente do SindMédico-DF, Dr. Gutemberg.

Importante destacar que Dr. Gutemberg conversou com a direção do Hospital, que afirmou estar, sempre, buscando melhorias e soluções para os problemas. “Ou seja, a gestão da Secretaria de Saúde é que não ajuda”, avalia o presidente do SindMédico-DF.

Cartilha Jurídica

Durante a visita, Dr. Gutemberg, a exemplo do que fez no HMIB, distribuiu aos médicos a Cartilha Jurídica do SindMédico, com orientações gerais em relação a atendimentos e outros procedimentos. O manual foi muito bem recebido pelos profissionais, que prometeram, inclusive, repassar a outros colegas o material.

“O Sindicato Itinerante veio de encontro com o lançamento da cartilha. É um material importante, fácil de carregar e que, com toda a certeza, ajudará aqueles que têm dúvidas no cotidiano sobre questões importantes à prática médica”, afirma Dr. Gutemberg.

Fonte: SindMédico-DF