Novo hospital da Região de Saúde Centro-Sul, no Guará, terá financiamento do BID

256
Print Friendly, PDF & Email

Unidade terá 375 leitos e custará mais de R$ 145 milhões

Por Luciene de Assis

Representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e da Secretaria de Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão do Governo do Distrito Federal realizaram, na manhã desta sexta-feira (17), uma visita técnica para conhecer as reais limitações do Hospital Regional do Guará (HRGu) e a necessidade de se erguer uma nova estrutura para atender à população da Região de Saúde Centro-Sul. Pelo menos 400 mil pessoas serão beneficiadas com o novo hospital, a ser erguido em um terreno na QR 23 do Guará II.

A nova unidade de saúde terá 28,5 mil m² de área construída e será construída em um espaço de 70 mil m², ao custo de mais de R$ 145 milhões, a serem financiados pelo BID. A Região de Saúde Centro-Sul inclui os moradores do Guará, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Estrutural, Setor de Indústria e Abastecimento (SAI), Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (SCia), Riacho Fundo I e II e Park Way.

Representando o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, a superintendente da região, Moema Campos, explicou que o hospital, da forma como está, não atende às necessidades da população dos nove setores, pois só consegue oferecer acolhimentos na Clínica Médica e na Pediatria, e de forma restrita. “Não realizamos exames mais complexos nem cirurgias”, assegurou.

Publicidade

Estrutura

Os visitantes percorreram os três andares do HRGu e se certificaram das limitações impostas pelo espaço. “Realmente, constamos que a construção do novo hospital é bastante justificada”, concordou o representante do BID, Ian William Mac Arthur.

A estrutura atual só dispõe de 54 leitos. O novo prédio terá capacidade para 285 leitos de enfermaria e outros 90 para o pronto-socorro, com perfil assistencial voltado para a clínica médica e outras cinco especialidades da Medicina. “Ainda estamos definindo a carteira de serviços”, explicou Moema Campos, ao falar da necessidade de pessoal para a unidade. Segundo a superintendente, “hoje, há um grande vazio assistencial na região”.

Uma emenda parlamentar já garantiu R$ 1,5 milhão para a elaboração do projeto arquitetônico. “Estamos preparando o processo para captar os recursos e fazer o investimento nesta obra. Por isso, convidamos o representante do BID para verificar o grau de necessidade e conhecer a realidade da região de saúde”, justificou o subsecretário de Captação de Recursos da Secretaria de Fazenda, Genésio Vicente, ao final da visita.

Clique aqui e saiba mais sobre este assunto.

Fonte: Agência Saúde