Mamógrafo do HRAN está quebrado, há seis meses, denuncia servidor

254
Print Friendly, PDF & Email

Secretaria minimiza questão ao apontar inexistência de fila

Por Kleber Karpov

Na noite de segunda-feira (13/Ago), Política Distrital (PD) recebeu denúncia que o único mamógrafo moderno do DF, do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), está quebrado, há seis meses.

Publicidade

A denúncia é de um servidor da unidade, que sob sigilo de identidade, criticou o descaso por parte da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF). “Há seis meses que o mamógrafo, o mais moderno do DF, está quebrado e a secretaria não toma providências para fazer a manutenção. Será que vão esperar o Outubro Rosa?”, questionou.

O servidor criticou ainda a “via sacra” que os pacientes são obrigados a fazer para conseguir realizar o procedimento nas unidades de saúde. Isso porque, de acordo com o profissional de saúde, sem o equipamento, os pacientes são direcionados a outras uniades.

“A população sofre com os autos custos de transporte, com o gasto com combustível, sem contar com horários inconveniente para os exames. E o mais grave, os pacientes estão sendo direcionados para todas as satélites, sem se levar em consideração o seu bem estar”, disse.

A outra parte

Questionada sobre o assunto, a pasta confirmou que o aparelho está quebrado, desde abril, e aguarda manutenção. Porém, a pasta minimizou o problema ao sugerir que a filia está zerada. “A direção do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) esclarece que o mamógrafo da unidade deixou de funcionar em abril e aguarda manutenção do equipamento. A Secretaria de Saúde lembra que não há fila para realização mamografia na rede pública de saúde do Distrito Federal. A fila está zerada desde julho de 2017.”.

A pasta afirma ainda que trabalha para que os pacientes possam ser assistidos. “O HRAN informa que a população do Distrito Federal não está desassistidas e que trabalha para que os pacientes não sejam prejudicados. Para isso, os exames de mamografia estão sendo reagendados para outras unidades de saúde.”.

Artigo anteriorTJDFT ratifica decisão de conversão do IHBDF em Fundação Pública
Próximo artigoRollemberg: O pecado mora ao lado, na frente, na casa do irmão e até da Criança