Que isso Rollemberg, que isso? ‘Cumbuca’ com “restos de comida” é servidor para servidor da Saúde?

816


Print Friendly, PDF & Email

Acusada de fornecer “restos de comida”, Secretaria refuta versão, mas ‘cumbuca’ denuncia “economia burra” de Rollemberg

Por Kleber Karpov

Desde a edição da Portaria 511/2018, pelo secretário de Estado de Saúde do DF (SES-DF), os servidores da Saúde passaram a reclamar, quase que diariamente, da comida fornecida, tanto aos profissionais quanto aos acompanhantes e pacientes das unidades do DF. Na última quinta-feira (14/Jun), Política Distrital (PD) recebeu o vídeo, por parte de um jornalista, sob sigilo de identidade, em que uma servidora do Hospital São Vicente de Paula (HSVP) reclamou do “resto de comida” servido na unidade e do descaso.

Em referência à comida servida no Senado Federal, em alusão ao órgão de origem, tanto do governador do DF, o socialista, Rodrigo Rollemberg (PSB), quanto do secretário de Estado de Saúde do DF, Humberto Lucena Pereira da Fonseca, a profissional de saúde desabafou do descaso para com os servidores da Saúde do DF.

“Essa é a comida, que hoje está sendo oferecida aos servidores do GDF, depois que Rollemberg resolveu dar um ‘enxuga’ nos orçamentos que só mexeu na saúde.  Porque eu não acredito que ele coma isso aqui na casa dele, ou que nenhum deputado coma isso aqui, resto de comida, lá no trabalho deles. Tenho certeza que lá no Senado, não é isso que eles oferecem e nem tampouco na Câmara, mas a gente que é servidor, eles servem em vasilha de plástico, uma cumbuca, com sobra de comida, que estão oferecendo hoje ao servidor da Saúde. E quando a Saúde pára, a gente está errado ainda.”, desabafou.

Publicidade

Ao longo da Semana, o efeito das mudanças de Fonseca em relação ao fornecimento de alimentação hospitalar alcançou, além da ira dos servidores, também a de parlamentares na Câmara Legislativa do DF (CLDF). Entre esses, dos deputados distritais Ricardo Vale (PT) e Celina Leão.

Ricardo Vale criticou a suspensão da alimentação para pacientes dos Centros de Atendimentos Psicossociais (CAPs) que permanecem em atendimento, por menos de quatro horas, nas unidades de Saúde. Celina Leão, por sua vez, foi categórica ao chamar de “economia porca, uma economia burra”. A parlamentar também anunciou que deveria protocolar um Projeto de Lei (PL), para reverter as mudanças da Portaria 511/2018.

Reclamações

Entre os servidores, a insatisfação é geral e, algumas fotos de ‘ceias, foram publicadas nas redes sociais, recheadas de reclamações dos profissionais de saúde.

Confira algumas imagens

Santa Maria

Às reclamações dos servidores, se somam, no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), mais uma apreensão dos profissionais de saúde. Na quarta-feira (13/Jun), de acordo com fonte de PD no hospital, a empresa CIAL começou a demitir os funcionários que atuavam na unidade na distribuição de refeições. A empresa responsável por fornecer alimentação no HRSM, perdeu licitação recente e para a Sanoli, responsável por servir as ‘ceias’ criticadas pelos profissionais de saúde, em adequação às normas instituídas pelo secretario de Saúde.

A outra parte

Questionada sobre o fornecimento de “resto de comida”, por meio de nota a pasta refutou tal versão. “A direção do Hospital São Vicente de Paulo esclarece que jamais forneceu restos de comida. A Secretaria de Saúde fiscaliza as refeições que são entregues, tanto aos pacientes quanto aos servidores. Uma nova empresa assumiu recentemente o contrato para fornecimento de alimentos e segue rigorosamente as normas sanitárias.”.