Sucateamento do setor oncológico contribui para morte de 2,5 mil pessoas

80
Print Friendly, PDF & Email

Faltam médicos, remédios e aparelhos. Governo afirma que existe um plano para acabar com a demanda na capital

Por Otávio Augusto

Desde que descobriu um câncer na boca, em dezembro do ano passado, a pensionista Maria Henriqueta de Castro, 86 anos,percebeu que ter a doença na capital é quase um atestado de óbito. “Parece que a gente está condenado a morrer devagarinho”, reclama a idosa, moradora do Núcleo Bandeirante, que passou a integrar o grupo de 5,8 mil novos casos do mal identificados anualmente. O sofrimento de dona Henriqueta é resultado de um tratamento oncológico que ficou estagnado na década de 2000. Há 15 anos, a estrutura é exatamente a mesma. O sucateamento reflete diretamente no índice de mortes pela doença na cidade: 43% dos pacientes diagnosticados com o mal não resistem — essa é a segunda principal causa de óbito no DF, perdendo apenas para problemas cardiovasculares.

Os gargalos impedem cerca de 1,3 mil pessoas de iniciarem os cuidados de radioterapia e quimioterapia. Para se conseguir uma cirurgia oncológica no Hospital de Base, por exemplo, a espera ultrapassa 90 dias — acima da recomendação do Ministério da Saúde, de, no máximo, 60 dias. Atualmente, apenas metade da demanda é atendida — deficit reconhecido pela Secretaria de Saúde. As estatísticas são todas negativas. O Executivo local realiza 51,4% menos cirurgias do que o necessário. Por ano, 1,8 mil pacientes chegam ao centro cirúrgico. Entretanto, deveriam ocorrer 3,5 mil procedimentos. A cidade possui três aparelhos de radioterapia, mas seriam recomendados, no mínimo, sete.

Publicidade

Três hospitais recebem pacientes dessa especialidade. O Ministério da Saúde preconiza que haja uma unidade especializada para cada 500 mil habitantes — a capital tem 2,9 milhões de habitantes. Integram o quadro do setor 24 oncologistas para assistir à procura das 31 regiões administrativas. Cinco medicamentos usados no tratamento estão com o estoque zerado na rede. A sangria não se restringe à alta complexidade do tratamento. A assistência básica, na qual os casos deveriam ser identificados precocemente, cobre 52% da população da capital. Com isso, os diagnósticos aparecem tardiamente e exigem cuidados mais efetivos. A estimativa da Secretaria de Saúde é de que cerca de 30% das situações poderiam ser evitadas. O efeito cascata é sentido da quimioterapia. A pasta executa 10% mais sessões que o necessário.

Fonte: Correio Braziliense

 

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Artigo anteriorAdvogada explica redução de carga horária para servidores públicos que tenham filhos com deficiência
Próximo artigoApós publicação de matéria por Política Distrital, Escola Classe da 106 Norte, explica mal entendido