Denúncias de servidores e da população ajudam a combater o descaso com a coisa pública

Print Friendly, PDF & Email

Na segunda-feira (25/Mai) uma Circular emitida pela Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) ganhou a atenção da imprensa. A SES-DF, seguiu o mesmo caminho de documento de mesma natureza, da Secretaria de Estado de Educação (SE-DF)(23/Abr), que acabou ‘retificada’ após crítica da imprensa. No entanto quando um servidor público chega ao ponto de procurar a imprensa para denunciar abusos, ou práticas não republicanas, os órgãos, o faz com medo de repressão, que em geral acontece, ou por estar cansado da omissão por parte das instâncias superiores do órgão a que pertence.

Bons exemplos podem ser vistos, no caso da ação da Controladoria Geral do DF, após os servidores começarem a se manifestar à imprensa por retaliações e abusos de poder por parte da corregedoria da SES-DF. Ou ainda pela iniciativa do secretário de Saúde, João Batista, em protocolar documento, exigindo que se tenha controle sobre as escalas de profissionais de Saúde. Não por outro motivo, o Tribunal de Contas do DF  (TCDF) e ainda o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) tem intensificado denúncias em diversos órgãos do GDF.

Embora algumas denúncias sejam demandadas também pela sociedade, os servidores que são obrigados a arcar com a omissão de colegas, são imprescindíveis, para que ganhem força e sejam ouvidas pelas autoridades competentes.

Publicidade

Infelizmente, uma frase do presidente da Comissão de Saúde do DF, Helvécio Ferreira, tanto no que tange a Saúde quanto a outros órgãos do GDF é uma realidade: “A saúde do DF é pautada pela imprensa.”. Isso porque a SES-DF, deixou de ser protagonista e passou a ser coadjuvante, que só age para tentar apagar o fogo depois do incêndio começado.

Nesse contexto, Política Distrital (PD) aponta dois casos de descaso com a coisa pública, denunciada por servidores e pela população, que após apuração por parte deste Blog e, antes mesmo de serem publicadas as matérias, movimentações começaram a acontecer, no sentido de ‘corrigir’ o problema.

Hospital do Paranoá

Em 14 de Maio, PD recebeu denúncia de um servidor do Hospital Regional do Paranoá (HRPa), sobre um volume grande de móveis “sem controle patrimonial”, alguns estragando, que estava acondicionado há mais de oito meses, no subsolo do hospital.

De acordo com o servidor que prefere não ser identificado: “Que sobre o comando da diretora Administrativa Sonia Bittencourt foram recebidos esses   moveis em grande quantidade, e os antigos foram retirados de qualquer jeito muitos deles sumiram. A própria diretora retirou alguns moveis do hospital, como sofá, mesa e armários. Muitos deles, novos,  estão estragando pois estão armazenados de qualquer jeito na subsolo do hospital, sendo molhados, estando empoeirados e até o momento nada foi feito. Alguns logo não terão mais utilidade por causa do seu estado. Até o momento 8 meses depois desses moveis terem chegado ao hospital, nenhum foi colocado a placa de patrimônio. Inúmeros moveis antigos estão sem patrimônio o que facilitou a retirada dos mesmo pela diretora a época.”, afirmou a fonte.

Na ocasião PD fez contato com a SES-DF para apurar o caso, e recebeu, por parte da Assessoria de Comunicação (ASCOM), o seguinte parecer: ”A Secretaria de Saúde informa que o Hospital Regional do Paranoá recebeu vários móveis no final do ano passado e que esses estão sendo montados gradativamente e sendo enviados aos setores que necessitam deles. A secretaria esclarece que todos têm controle patrimonial e que foram acomodados corretamente no subsolo do HRPA. No mesmo local, há outros móveis que estão sem condição de uso e foram armazenados até a retirada que ocorre nesta segunda-feira (18).

Embora a SES-DF tenha dado tal parecer, de acordo com o servidor: “Até o momento, os móveis velhos permanecem no subsolo da unidade e alguns novos estão sendo distribuídos nos andares, mas ainda sem controle patrimonial. ‘’, afirmou.

Centro de Saúde nº 2 de Núcleo Bandeirante

Outro caso de descaso com a coisa pública aconteceu no Centro de Saúde 2 de Núcleo Bandeirante. Um servidor, que também não quer ser identificado, denunciou o armazenamento de móveis e macas novas, ao relento em um corredor externo daquela Unidade. Na mesma unidade, alguns dias depois, uma paciente, ficou indignada com o descaso e fez fotos do espaço.

Segundo a fonte de PD, ao ser informada, a chefe da unidade, a pediatra, Wilna Célia Pereira de Sousa, colocou retirou alguns móveis e colocou um tapume para tentar ocultar e deixar os móveis longe dos olhos do público, a parte restante continua ao relento.

Na ocasião o Blog conversou com a médica e com a secretaria sobre o assunto. Segundo Sousa: “Alguns inservíveis estão aguardando o caminhão para recolhê-los. Deve ser isso. Os usáveis irão para outras unidades. Havia muitas coisas entulhadas, dentro do CS. Estamos retirando para abrir espaço, para trabalharmos.”, afirmou.

 

 

Imagens móveis no HRPa

Vídeos de móveis no CS Nº Núcleo Bandeirante 

 

Vídeos de móveis no CS Nº Núcleo Bandeirante após denúncia de servidor e usuários

 

 

 

 

 

 

Artigo anteriorFinalmente vai começar o governo de Rodrigo Rollemberg
Próximo artigoTribunal de Justiça põe fim a ‘farra’ dos contratos temporários na Saúde do DF