Pediatria do hospital do Gama volta a ser desativada, dois meses após reabertura da unidade

Print Friendly, PDF & Email

Profissionais do HMIB reclamam de sobrecarga de atendimento proveniente do desfalque no HRG e Secretaria de Saúde aponta déficit de servidores em outros hospitais

Por Kleber Karpov

Dois meses após a reabertura do serviço de Pronto Atendimento Infantil (PAI) do Hospital Regional do Gama (HRG), a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), volta a desativar o atendimento de emergência pediátrica na unidade. Sob o argumento de um haver um “o agravamento de problemas sazonais de saúde e a grande demanda vinda da região do entorno” a pasta admite falta de médicos para realizar os atendimentos.

De acordo com a SES-DF, após a reabertura do PAI do HRG, houve um aumento da demanda de atendimento, proveniente de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) da região do entorno. “De uma previsão inicial de cerca de dois mil atendimentos, no último mês a emergência do Gama atendeu 4.860 crianças.”.

A Secretaria aponta ainda outro agravante, o pedido de exoneração por parte de 14 pediatras, desde a reabertura da unidade. Os médicos foram contratados por meio de contratos temporários, com a autorização do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). Porém, segundo a SES-DF, “a baixa atratividade dos salários somada à grande quantidade de trabalho” motivou os pedidos de exonerações.

Falta de pediatras

Os problemas começaram no dia seguinte a reabertura do PAI no HRG (5/Mar), ocasião que o secretário de saúde, médico da família, Humberto Lucena Pereira da Fonseca e o adjunto, Ismael Alexandrino, para tentar amenizar a falta de médico, puseram a ‘mão na massa’, para tentar ajudar no atendimento. Na ocasião Fonseca chegou a publicar na rede social, Facebook, a indicação de terem atendido 60 crianças.

Vale lembrar ainda que tal publicação resultou em denúncia por parte do Sindicato dos Médicos do DF (SINDMÉDICO-DF), uma vez que secretario e adjunto, não são especialistas em atendimento pediátrico.

HMIB reclama

Antes mesmo de Fonseca decidir voltar a suspender o atendimento no PAI do HRG, funcionários do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), procuraram Política Distrital (PD) (10/Abr), para reclamar da sobrecarga, em decorrência dos furos de escala no HRG. Um servidor do HMIB, que pediu sigilo sobre a identidade, fez a denúncia ao Blog e deu a entender que a falta de pediatras se estende a outros hospitais do DF.

“Em todos plantões noturnos todos Box é semi UTI, sala de procedimentos, sala de punção venosa, punção lombar, medicação externa, ficam todos lotados. Quando durante o turno matutino e vespertino às crianças ficam sem atendimento. Isso acontece no hmib porque às outras pediatrias fica fechadas e lotadas de outros hospitais. Quem paga o pato é nós do pronto socorro infantil”.

Atendimento Limitado

PD questionou o problema à SES-DF que admitiu a sobrecarga no HMIB. De acordo com a Assessoria de Comunicação (ASCOM), o hospital está realizando atendimento prioritário das crianças com classificação de risco nas cores alaranjadas e vermelhas. A orientação aos demais é que aguardem chamada ou procurem outras unidades da rede.

“A direção do HMIB esclarece que  diante da grande demanda e da incapacidade física e de pessoal para atender a todos em todos os momentos, são priorizados os casos avaliados como mais graves. Pacientes nas classificações alaranjado e vermelha são plenamente acolhidos, em detrimento dos que apresentam menor grau de risco.”

Escala perigosa

A SES-DF revela ainda outro ponto perigoso, no domingo, dia em que PD recebeu a denúncia, o HMIB contou apenas com seis pediatras plantonistas para cobrir os períodos matutino e vespertino. Mesmo com oito crianças em estado crítico, de um total de aproximadamente 50 pacientes, o período noturno, ficou sem pediatra escalado.

“A direção   informa que nesse domingo três médicos trabalharam no plantão matutino e  três  à tarde. Ressalte-se que além do atendimento de porta esses profissionais têm a responsabilidade de acompanhar a evolução dos 48 pacientes internados na unidade, oito deles em estado crítico.”.

Processo seletivo

De acordo com a SES-DF,  o déficit de pediatras é um problema recorrente nos serviços de saúde em todo país e que a Secretaria conta com 728 profissionais para atender a demanda da rede.  Ainda de acordo com a rede, “Neste momento, está em andamento processo de seleção simplificado, para contratação temporária de 83 pediatras e 121 neonatologistas.”.

0

Comentário