CLDF derruba veto à LDO e restabelece possibilidade de contratação de concursados

Com a derrubada do veto, as contratações poderão ser incluídas no Orçamento para 2022, que deverá ser apreciado até o final deste ano. Com a derrubada do veto à LDO, as contratações poderão ser incluídas no Orçamento para 2022, que deverá ser apreciado até o final deste ano

98
Print Friendly, PDF & Email

Por Luís Cláudio Alves

A Câmara Legislativa do Distrito Federal derrubou na tarde desta quarta-feira (13), durante sessão ordinária, um veto parcial ao anexo IV do projeto de lei nº 1.930/2021, do Executivo, que trata das diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro de 2022. O anexo IV trata da contratação de servidores concursados para algumas carreiras, entre elas a Defensoria Pública. O veto foi derrubado por unanimidade, com 14 votos favoráveis, e contou com aplausos de defensores públicos que acompanharam a votação nas galerias do Plenário da Câmara, respeitadas as regras sanitárias.

O presidente da Câmara, deputado Rafael Prudente (MDB), explicou que o veto do governo recaiu sobre itens que tratavam da contratação de novos defensores e servidores de outras carreiras, reposição de perdas inflacionária e revisão de uma gratificação da Defensoria. Com a derrubada do veto à LDO, as contratações poderão ser incluídas no Orçamento para 2022, que deverá ser apreciado até o final deste ano.

Publicidade

Na discussão da matéria, o deputado Leandro Grass (Rede) enfatizou que a Defensoria Pública é uma grande aliada na garantia de direitos da população do DF. Na mesma linha, o deputado Chico Vigilante (PT) disse que a derrubada do veto é fundamental para que os defensores possam “efetivamente melhorar a defesa da população pobre”. Fábio Felix (Psol) também ressaltou a importância da defensoria no trabalho de defesa da população que mais precisa.

A deputada Arlete Sampaio (PT) salientou que durante a discussão do Orçamento para 2022, a Defensoria vai ter bom senso para discutir com o governo o montante de recursos necessários para as contratações. Já o presidente da Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF), deputado Agaciel Maia (PL), informou que o governo vetou um anexo todo, que é fruto das demandas de algumas carreiras para contratação de pessoal.

Segundo ele, se a previsão estiver na LDO, poderá ser incluído no Orçamento, caso contrário as demandas não podem ser atendidas. Para ele, o reforço no quadro da Defensoria vai melhorar a eficiência e a eficácia do órgão.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
FONTECLDF
Artigo anteriorAlexandre de Moraes prorroga inquérito sobre suposta interferência de Bolsonaro na PF
Próximo artigoJorge Vianna promove Comissão Geral para debater reajuste salarial de servidores