ICDF enfrenta pandemia e salva vidas

A Instituição apresenta os resultados dos atendimentos em março/21 com aumento no volume de procedimentos, cirurgias e transplantes realizados.   

39
Print Friendly, PDF & Email

Não é novidade que o enfrentamento a pandemia tem afetado a saúde da população, não somente pelo risco de contaminação pelo novo vírus, mas pelo adiamento de diversos tratamentos de saúde. O Instituto de Cardiologia que já sofria o impacto da pandemia sentiu ainda mais a crise com suspensão dos atendimentos eletivos. Em janeiro deste ano, iniciou a retomada dos atendimentos na contramão das demais instituições de saúde.

Há pelo menos um ano a instituição orienta suas equipes quando ao plano de contingência para casos suspeitos de coronavírus (2019-nCoV) o que possibilitou  continuar atendendo seus pacientes com segurança.

Em fevereiro deste ano (2021) celebramos o resultado da retomada nos atendimentos, quando foram realizados 144 cateterismos, mais de 60% total de cateterismos realizados no DF. O resultado de Março é ainda mais animador, pois foram realizados 233 cateterismos e 42 angioplastias. As cirurgias também apresentam crescimento, foram 02 implantes de marca-passo e 61 cirurgias cardíacas realizadas, sendo 17 pediátricas e 44 adulto.

Juliana Conceição dos Santos é uma jovem de 25 anos, natural de São Luís- Maranhão, desde seus 15 anos ela aguardava convocação para realizar uma cirurgia cardíaca no seu estado. A jovem possui cardiopatia congênita e em 2017 mudou-se para o DF. Ela conta que sempre sentia muito cansaço e fraqueza e isso limitava sua vida, mal conseguia fazer as tarefas de casa. Aqui no DF buscou novamente acompanhamento médico e estava a um ano aguardando a convocação para cirurgia.

O ICDF é um dos poucos hospitais no país de referência em atendimento de cardiopatia congênita, inclusive em adultos. A Cardiopatia congênita é uma anormalidade na estrutura ou função do coração que surge nas primeiras oito semanas de gestação quando se forma o coração do bebê. Ocorre por uma alteração no desenvolvimento embrionário da estrutura cardíaca, mesmo que descoberto no nascimento ou anos mais tarde, pois os sintomas podem ocorrer no nascimento, durante a infância, ou somente na idade adulta.

Dia 23/03/21, Juliana passou pela cirurgia e fala com muita gratidão sobre a importância do atendimento no Instituto. “Assim como eu, várias pessoas no DF e outros lugares precisam desse atendimento especializado e não encontram. O atendimento aqui é excelente, graças a Deus consegui fazer minha cirurgia” disse emocionada.  

Merece destaque ainda o resultado o programa de transplantes no ICDF, diferente de outros estados, a instituição conseguiu manter o programa de transplantes atuante e realizou neste mês (março) 16 procedimentos sendo: 03 corações, 07 fígado, 05 rins e 01 transplante de medula ósseo autólogo. O resultado é muito expressivo para um momento tão difícil como a pandemia. 

Segundo dados já divulgados pela Associação Brasileira de Transplantes de órgãos – ABTO é possível notar em todo país uma queda nas taxas de doação e de transplante de órgãos com doador falecido, temos ainda uma redução maior nos transplantes eletivos (não urgentes) que, na maioria dos estados, foram suspensos devido às medidas de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus.

O Instituto revisou os protocolos internos incluindo, conforme recomendação técnica, a testagem para covid-19 do paciente doador e do paciente receptor quando ocorre oferta de órgão compatível, além disso, realiza campanhas com as equipes sobre os cuidados necessários para evitar o contágio entre os profissionais, permitindo assim manter o programa ativo com bons resultados.

Com diagnóstico de doença de Chagas e queixando de muito cansaço a Sra. Rosângela Viana da Silva, 48 anos ficou muito debilitada. Ela foi internada, teve 03 paradas cardiorrespiratória e recebeu a indicação de transplante cardíaco, sendo listada como prioridade pela gravidade o caso. Rosângela teve sua vida renovada dia 15 de março, quando realizou um transplante cardíaco. “Estou muito feliz porque vou iniciar a vida nova graças ao transplante” contou emocionada.(foto anexo)

Esse volume de procedimentos, cirurgias e transplantes destaca mais uma vez a excelência no serviço de saúde prestado pelo Instituto de Cardiologia e sua importância como instituição que realiza atendimento complementar à Secretaria de Saúde – SES/DF prestando atendimentos de alta complexidade cardiovascular e transplantes à população usuária do SUS no DF e região.

A diretoria reforça que está trabalhando a fim de que a instituição consiga voltar os atendimentos em sua capacidade máxima com o compromisso zelar pelo acolhimento da população usuária do SUS, com a qualidade e segurança sempre dispensadas ao pacientes.