Dia Mundial do Câncer: Dados do HB reforçam atendimento de referência

Hospital de Base reúne toda as linhas de cuidados para pacientes oncológicos e é considerado de alta complexidade pelo Ministério da Saúde

29
Print Friendly, PDF & Email

O Instituto de Gestão Estratégia de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) divulgou nesta quarta-feira (3) balanço sobre resultados obtidos pelo Hospital de Base (HB) no atendimento a pacientes com câncer. Referência na área, a unidade somou, ao longo de 2020, 2.207 primeiras consultas oncológicas. E, somente em janeiro de 2021, já foram feitas 185 primeiras consultas. Mensalmente, o HB realiza uma média de 1,8 mil consultas oncológicas e mil sessões de quimioterapia. Os números foram consolidados na véspera do Dia Mundial do Câncer, esta quinta-feira, 4 de fevereiro.

O Hospital de Base é o único da rede pública do DF a reunir em um mesmo espaço toda a linha de cuidados para câncer. São eles: primeiras consultas; exames para diagnósticos precisos; cirurgias; tratamentos de quimioterapia e/ou radioterapia; e acompanhamento ambulatorial (consultas e exames periódicos).

1,8 milÉ a média mensal de consultas oncológicas no Base

Estrutura e equipe

Somente no ambulatório, o HB conta com 34 médicos oncologistas clínicos, sendo 27 celetistas e 7 estatutários. Além disso, são 14 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) e 10 leitos para hematologia.

Já na Ala de Internação da Oncologia para tratamento clínico e quimioterápico, que fica no 10º andar do HB, os pacientes são assistidos por 8 médicos, 16 enfermeiros, 54 técnicos de enfermagem e mais uma equipe multidisciplinar com fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, assistentes sociais e farmacêuticos. Nessa ala de internação, há 51 leitos de UTI.

Pela estrutura de excelência, o Hospital de Base é habilitado no Ministério da Saúde como um Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon)

Centro de complexidade

Pela estrutura de excelência, o Hospital de Base é habilitado no Ministério da Saúde como um Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon). Isso porque a unidade tem condições técnicas, instalações físicas, equipamentos e recursos humanos adequados à prestação de assistência especializada de alta complexidade para o diagnóstico definitivo e o tratamento de todos os tipos de câncer.

Segundo o cirurgião Bruno Sarmento, chefe do Serviço de Cirurgia Oncológica do HB, esse é o diferencial da unidade. “A missão do Cacon é oferecer a cada paciente um tratamento especializado, multidisciplinar e de alta complexidade.”

Em comparação às demais unidades hospitalares da rede pública, Bruno Sarmento destaca que elas complementam o atendimento oncológico do DF e costumam tratar tumores mais frequentes e menos complexos.Ainda de acordo com o especialista, o Hospital de Base é o único da rede pública que consegue realizar “toda a jornada do paciente, reunindo o maior número de especialidades e com grande capacidade de resposta às demandas individuais dos pacientes e do sistema de saúde”.

Expectativas para 2021

Novas aquisições para a Unidade de Oncologia do Hospital de Base estão previstas para este ano. O objetivo é acelerar e aprimorar os atendimentos de pacientes com câncer. “Captaremos recursos para adquirir um novo tomógrafo; um aparelho de ressonância nuclear magnética; e uma câmara gama de medicina nuclear”, exemplifica o superintendente do HB, Lucas Seixas. Ainda segundo ele, são esperadas melhorias nas áreas de radioterapia e patologia.

Seixas acrescenta que o Hospital de Base deverá aumentar em 50% o número de cirurgias com a aquisição de 46 leitos de UTI de retaguarda, sendo 28 gerais, 10 de neurocirurgia e 8 de cirurgia cardíaca.

O superintendente ressalta que a Capela de Manipulação de Quimioterápicos do HB está pronta e que só aguarda a liberação da Vigilância Sanitária do Distrito Federal. “Esse espaço vai possibilitar o aumento da oferta das sessões de quimioterapia”, informa.