Chico Vigilante denuncia descaso do Instituto HBDF com paciente que necessita de cirurgia ortopédica de emergência

352


Print Friendly, PDF & Email

Vigilante quer levar caso ao Ministério Público. Por outro lado, Secretaria de Saúde afirma que paciente deve passar por atendimento ambulatorial antes de ser encaminhado à cirurgia

Por Kleber Karpov

O deputado distrital, Chico Vigilante (PT), publicou na noite desta quinta-feira (15/Mar), uma denúncia sobre a que chamou de “descaso” do Instituto Hospital de Base do DF (IHBDF) em relação aos atendimento na unidade de Saúde. Vigilante criticou a alta concedida a um paciente, que aguarda uma cirurgia de emergência e prometeu denunciar o caso.

De acordo com o parlamentar, um paciente que necessitava de uma cirurgia ortopédica de emergência, recebeu alta, por parte do IHBDF, para aguardar, em casa pela realização do procedimento.

De acordo com denúncia do parlamentar, o vigilante Francisco das Chagas Ripardo Marques fraturou a fíbula, durante uma partida de futebol, no sábado (10/Mar) e foi internado no IHBDF no dia seguinte.

Publicidade

Ainda de acordo com o parlamentar, na ocasião da internação no IHBDF, ao passar por avaliação, um médico afirmou que Marques precisava passar por um processo cirúrgico de emergência e, ficar internado para receber atendimento adequado na unidade de saúde. Porém, na manhã da quarta-feira (14/Mar), um segundo médico deu alta para Marques e mandou aguardar pela cirurgia em casa.

Para o deputado, o paciente deixou de ter o direito de receber tratamento médico especializado, além de ter que aguardar, até 20 de março, ocasião em que deve retornar ao IHBDF, para passar por nova avaliação médica.

“Esse instituto foi apresentado para a população do DF como sendo a solução para todos os problemas da saúde pública. Mas o que vemos no dia a dia é o descaso com o cidadão”, protestou Chico Vigilante. “Um verdadeiro absurdo que está sendo praticado contra um trabalhador”, disse.

Denúncia

Diante do caso, Chico Vigilante avaliou como “gravíssimo” o descaso do IHBDF com a situação do paciente. O distrital afirmou que vai denunciar o caso junto à Promotoria de Defesa da Saúde do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). O deputado também afirmou que deve acionar o IHBDF judicialmente, para garantir o tratamento de Marques.

O que diz a SES?

Sobre a denúncia de Vigilante, a SES-DF, negou que o procedimento cirúrgico de Marques seja de emergência. De acordo com a pasta: “O Instituto Hospital de Base (IHB) informa que o tratamento do paciente F.C.R.M. recomendado pelo profissional que o atendeu consiste em acompanhamento ambulatorial, com consulta agendada para o próximo dia 21, onde passará por reavaliações periódicas. Somente após esse tratamento e as reavaliações, a cirurgia será agendada.”.

Fica a dica  

Membro da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC) da Câmara Legislativa do DF (CLDF) recentemente Vigilante anunciou que faria inspeções nas unidades de Saúde do DF. Sob essa ótica, ao acompanhar o dilema do vigilante, em relação a necessidade de cirurgia de emergência, o fato remete a um problema bem maior.

A Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), sob a gestão do secretario de Estado de Saúde do DF, Humberto Lucena Pereira da Fonseca, aparentemente tenha adotado a máxima de ignorar solicitações ‘sensíveis’ de informações sobre as demandas de cirurgias ortopédicas.

Isso baseado em solicitação efetuada por Política Distrital (PD), em 17 de agosto de 2017, sobre a demanda reprimida de procedimentos cirúrgicos ortopédicos, de emergência e eletiva, informação essa, sem retorno por parte da SES-DF.

Nesse contexto, baseado em dados de abril de 2015, a pasta admitiu a existência de um déficit de 250 cirurgias ortopédicas de urgência e 4700 eletivas, dados publicitados, por ocasião do escândalo das Órteses e Próteses e Materiais Especiais (OPME).

Porém, tal número, baseado em projeções à partir de informações da própria SES-DF, leva a crer que tais demandas podem ter aumentado, exponencialmente. Isso em razão, da capacidade operacional de unidades de referência, nesse tipo de procedimento, a exemplo do Hospital Regional de Taguatinga (HRT), realizam pouco mais de 700 operações ao ano.

Com isso, a denúncia do parlamentar, certamente será mais rica em detalhes, se Vigilante acrescentar, além do IHBDF, todas as unidades da SES-DF. Certamente o distrital vai se deparar com casos, a exemplo de Marques, apontado pelo distrital, ou ainda do aposentado, Márcio Barral, morador de Sobradinho. Barral, já com graves sequelas, que aguarda a colocação de uma prótese, desde fevereiro de 2016.

Com informações de Chico Vigilante