Diretor do Sindate-DF acusa Rollemberg de ‘forçar’ manutenção de limite da LRF além de enganar servidores e concursados

64
Print Friendly, PDF & Email

Para sindicalista Rollemberg dá manutenção para se manter no limite da LRF e usou de ‘tramoia’ ao nomear 334 comissionados em 29 de fevereiro quando deveria suprir déficit de pessoal nos órgãos públicos

Por Kleber Karpov

Em uma veiculação de vídeo, periódica, publicada na rede social do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF(Sindate-DF), o vice-presidente da entidade, Jorge Vianna, chama atenção e acusa o governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), de enganar servidores e profissionais concursados da Saúde, que aguardam nomeação.

Segundo o Sindicalista, Rollemberg, embora utilize por argumento estar impedido de nomear novos servidores  por causa das limitações da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o governador, aproveita ‘oportunidades’ para nomear cargos comissionados.

“Nós sabemos que estamos no limite prudencial, ou seja, nós não podemos nomear de acordo com o governo, não podemos conceder 40 horas e tantos outros benefícios, porque nós estamos ali naquele limite que não pode gastar mais, não é isso. Essa conta é calculada de quatro em quatro meses, ou seja, no quadrimestre. O interessante é que no último dia do primeiro quadrimestre, dia 29 de abril, no último dia útil, o governo nomeou mais de 500 pessoas. Ora se nós não temos condições de nomear concursados, porque que ele nomeou cargos comissionados.”

Publicidade

fotosVianna chamou atenção para as nomeações publicadas no Diário Oficial do DF nº 81 de 29 de abril desse ano, em que o GDF realizou 532 nomeações e 198 exonerações. Segundo o Sindicalista, a diferença, 334 cargos, foram nomeados na condição de comissionados, quando o GDF deveria nomear servidores públicos para atender as demandas do Estado.

“O governador está usando essa ‘tramoia’ para poder nunca sair do limite prudencial. Porque todas as vez que nós baixar o limite prudencial ele vai lá e nomeia. Nomeia o quê? Cargos comissionados, assim ele vai conseguindo lotear novamente o GDF dando cargos e fazendo cabide de emprego. Porque cargo comissionado é cabide de emprego. O servidor ele tem que trabalhar e tem que atuar no serviço público, não é por cargo comissionado. Só assim nós teremos um serviço de qualidade. O servidor trabalhando e sendo fiscal. Inclusive governador, nós estamos de olho. Nós somos os fiscais. “Aqui, você não vai ter moleza não.”, atirou.

Com a palavra o senhor governador, Rodrigo Rollemberg.

Da redação