Além de informatização, greves de terceirizados da limpeza e vigilância ameaçam travar, de vez com, a Saúde do DF

Print Friendly, PDF & Email

Embora ofício do SINDSERVIÇO-DF mostre o contrário, Secretaria de Saúde nega ter conhecimento da greve da limpeza

Por Kleber Karpov

De um lado, a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), enfrenta problemas com agendamentos e consultas de pacientes por instabilidades no sistema Track-Care, utilizado para gerenciar prontuários de pacientes. Mas o que está ruim, pode piorar. Os serviços de limpeza e de vigilância de empresas prestadoras de serviços à SES-DF, anunciaram a realização de greve, por tempo indeterminado.

Na terça-feira (9/Mai), os profissionais de limpeza que atuam na SES-DF, cruzaram os braços. Os funcionários das empresas Dinâmica Administração, Serviços e Obras, Apecê Serviços Gerais e Ipanema Empresa de Serviços Gerais e Transportes  cobram os pagamentos e outros benefícios em atraso. O anúncio da greve, de seis mil trabalhadores, foi divulgado pelo Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio, Conservação, Trabalho Temporário, Prestação de Serviços e Serviços Terceirizáveis do DF (SINDSERVIÇOS-DF).

Porém, após o secretário Secretaria de Estado de Fazenda do DF (SEFAZ), Wilson José de Paula garantir que deve realizar o pagamento da fatura, às empresas, na quinta-feira (11/05), com a perspectivas de os vigilantes e os profissionais de limpeza receberem na sexta-feira (12/05), os anúncios das greves foram suspensos.

Consequências?

Com a greve dos profissionais de limpeza, problemas relatados no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), a exemplo da falta de materiais de higiene pessoal e materiais de limpeza, podem se espalhar nas demais unidades. Isso, com um agravante, propiciar a proliferação de superbactérias e, consequentemente, aumentar o índice de infecções e mortes evitáveis.

Sem vigilância, cenas a exemplo da violência e depredação do patrimônio público, praticados por usuário da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Sebastião, também, tendem a se tornar rotineiras.

Resta saber se o GDF vai honrar com o compromisso da SEFAZ.

A outra parte

Política Distrital, questionou à SES-DF, sobre o impacto da greve dos profissionais de limpeza. Causou estranheza a posição da Secretaria, por meio da Assessoria de Comunicação (ASCOM). Em nota a pasta declarou que “Até o momento a secretaria de saúde não foi notificada oficialmente sobre greve.

A pasta informa que está tomando todas as providências necessárias para que o pagamento seja realizado o mais breve possível.”.

Isso porque o ofício 262/2017, protocolado na SES-DF em 5 de maio, pelo SINDSERVIÇOS-DF, ao secretario de Saúde deixa claro que a categoria entraria em greve, a partir do dia 9 de maio. Faltou gestão até para informar Fonseca?

Atualização: 10/5/17 às 00h58 

3