Servidores da atenção primária negam existência de treinamento para atuarem nas emergências dos hospitais

Print Friendly, PDF & Email

Reação começou após Política Distrital publicar denúncia de servidor, sobre falta de treinamento

Por Kleber Karpov

Após publicar da matéria ‘Servidores da atenção primária são obrigados a atender, sem capacitação adequada, em emergências de hospitais’ (7/Fev), servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), procuraram Política Distrital (PD) e afirma que a SES-DF mentiu ao afirmar que ofereceu treinamento aos profissionais de Saúde.

Por força da Portaria nº 231/2016 da SES-DF, os profissionais de saúde que atuam na atenção primária são obrigados a atender, 30% da carga horária, nas emergências dos hospitais do DF. A portaria assinada pelo secretário de Saúde, Humberto Lucena, prevê que os trabalhadores devem passar por treinamento, o que a pasta afirma ter acontecido.

Na ocasião a SES-DF informou que “foi oferecido um treinamento na Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde [(FEPECS)], aos profissionais, para atualização e aperfeiçoamento em urgências e emergências.”. Ainda de acordo com a Pasta: “A capacitação ocorreu a partir do final de outubro até o mês de novembro.”.

Treinamento

O denunciante, que deu origem a matéria, afastado há oito anos da atenção primária, apontou haver “risco graves”, tanto para pacientes, quanto para os próprios servidores. “Estou há oito anos afastado da assistência [da emergência]. Para se ter uma ideia,  com cinco anos, por exemplo, a medicação pode mudar, a fórmula de diluição também e há profissionais fazendo plantão nas emergências, sem experiência alguma, fazendo medicação e puncionando veias.”, explicou.

O treinamento em questão, de acordo com a SES-DF, foi realizado na  FEPECS, mas diversos servidores, de diversas unidades negam que tenham recebido qualquer tipo de instrução  por parte da Secretaria de Saúde.

“Sou da assistência básica desde lotada na SES e nunca recebi um treinamento para trabalhar em emergências e lá no CSB 10 Lago Norte desconheço qualquer um que tenha feito o curso e seguem sendo obrigados a cumprir tal portaria e quando no centro obrigado a abrir sozinhas a sala de vacinas e com riscos de erros pelos colegas que não trabalhavam na sala de vacinas mas que agora tem de cumprir suas escalas nela sem treinamentos.”, afirmou uma servidora que pediu sigilo de identidade.”.

Outro servidor de um posto de saúde de Ceilândia, também sob sigilo de identidade fez afirmação semelhante. “Ceilândia não recebeu treinamento. Na Candangolândia também não houve treinamento.”, disse.

“Nem técnico em enfermagem (meu caso), nem enfermeiros e muito menos médicos!! Pode pesquisar. Não houve treinamento nenhum!”atirou outro servidor da SES-DF.

“Eu sou da atenção básica, Centro de Saúde de Ceilândia. Não recebemos treinamento nenhum! Ninguém do meu centro recebeu. Não sei de onde apareceu essa conversa que alguém recebeu dois, ou um dia de treinamento da Fepecs. Desconheço alguém da Ceilândia que tenha recebido tal treinamento.”, disse um quarto servidor da SES-DF sobre os treinamentos.

Sem Confirmação

Uma vez que Política Distrital produziu essa matéria baseado em informações da SES-DF, o blog não voltou a questionar a Pasta sobre o assunto. Vale observar ainda que o blog questionou, em alguns grupos do aplicativo Whatsapp, com abrangência de cerca de 2 mil servidores ligados ao órgão. Em nenhum momento, houve qualquer manifestação que confirmasse o parecer da Secretaria de Saúde.

O Blog pesquisou em todas as estruturas do site da FEPECS e também não há disponibildiade de conteúdo que confirme a existência de tal treinamento.

Com a palavra

Ao se levar em consideração que por diversas ocasiões, ao longo dos últimos meses, a SES-DF, oferece posições contraditórias, em relação aos acontecimentos relacionados à Saúde do DF. Isso coloca a Secretaria de Saúde na condição de fonte oficiosa o que deve ser encarado com preocupação por parte dos órgãos de Controle.

Será que não cabe ao Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) e da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde na Câmara Legislativa do DF (CLDF) se certificar que os servidores de fato estão qualificados para atuarem nas emergências dos hospitais do DF? Com a palavra, o MPDFT e a CLDF.

Confira a Portaria

Atualização para correção: 12/2/17 às 20h15

 

0

Kleber Karpov

@KleberKarpov Jornalista (MTB 10379-DF) Perfil Acadêmico e Profissional Pós-Graduando em Auditoria em Serviços de Saúde (ICESP-DF) Graduado em Jornalismo (ICESP-DF); Ciências Políticas (Veduca/USP); Consultor em Tecnologia da Informação; Consultor em Marketing Político; Coordenador de Campanhas políticas ou institucionais; ex-Assessor Parlamentar na Câmara Federal; Vice-Presidente da Associação Brasiliense de Blogueiros de Política (ABBP); Projetos Pessoais e Sociais: Criador do projeto www.queromeucarrodevolta.com.br (2012), para vítimas de roubos e furtos de veículos; Editor e Apresentador do telejornal Quero Meu Carro de Volta Apresentador do Panorama Político (Rádio Federal) Envie sua sugestão de pauta: Whatsapp: (61) 99606-2984 E-Mail: karpovls@gmail.com

Você pode gostar...

Comentário

1 Resultado

  1. 19 de março de 2017

    […] falta de treinamento dado aos servidores da Atenção Primária, previstos na Portaria nº 231/2016, aos prof…, obrigados a atender, 30% da carga horária, nas emergências dos hospitais do DF, que a pasta […]