Conselheiro faz suposições, propõe demissão de servidores “em grupo de 10” e causa polêmica no Conselho de Saúde

Print Friendly, PDF & Email

Conselheiro sugere que atestados de servidores sejam falsos

Por Kleber Karpov
unnamed

Conselheiro da Saúde – Foto: Reprodução

Durante a última reunião do Conselho de Saúde do DF (27/09), o membro da pastoral da saúde do DF e representante dos usuários na mesa diretora do Conselho de Saúde (CSDF), Domingos de Brito Filho atacou, de acordo com fonte que pede para não ser identificada, o segmento de servidores, sindicatos e os setores de Recursos Humanos (RH) da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF).

De acordo com a fonte, Filho acusou os servidores públicos da  Saúde de serem acomodados e se utilizam de atestados médicos falsificados para não ir ao trabalho. O representante dos usuários no CSDF também afirmou que os sindicatos só trabalham em prol do servidor, enxergando apenas um lado.

Com relação aos setores de RH da SES-DF, Filho afirmou se tratar de pessoas incompetentes e que não tem condições de analisar o perfil do trabalhador para destiná-lo a uma unidade onde terá maior aproveitamento, afirmando ser o motivo de não “renderem no trabalho”.

Demissão em grupo de 10

O Conselheiro, também defendeu a demissão de servidores públicos “em grupos de 10 servidores”. O motivo, de acordo com a fonte é que Filho afirmou que os profissionais de Saúde apresentam muitos atestados, sugeriu que “devem ser falsos” e que os trabalhadores o fazem por malandragem.

Ainda de acordo com a fonte,  por contarem com a estabilidade os servidores “não temerem ser demitidos” e que as demissões “em grupos de 10” serviriam de exemplo para outros trabalhadores.

CSDF

Política Distrital conversou sobre o assunto com o presidente do CSDF, Helvécio Ferreira que defendeu o Conselheiro ao sugerir que Filho se reportava aos “maus servidores públicos”.

O que diz o conselheiro?

O Blog fez contato com Filho, por meio de mensagem instantânea, porém, não recebeu retorno até o momento da publicação da mensagem.

Opinião

Assim como em todos os segmentos da sociedade existem pessoas boas e más. Péssimos e ótimos profissionais. No que tange ao funcionalismo público de um modo geral, em especial, na Saúde, ressalvado servidores corruptos que existem em todos os lugares e esses devem ser presos, há que se levar em conta alguns fatores.

Nos últimos anos, perseguições, retirada de benefícios, a falta de servidores, atrasos de pagamentos, calotes, suspensão de benefícios, perseguições de colegas, endividamento, sobrecarregam esses trabalhadores, com resultam em índices altíssimos de absenteísmo e de profissionais que poderiam estar em pleno vigor físico e profissional, doentes e desmotivados. A isso se soma a responsabilização atribuída por pacientes, acompanhantes e até autoridades policiais, aos servidores, quando na verdade existe nos bastidores, gestores e um governo que além da falta de gestão, não tem a menor capacidade para tentar criar proximidade com os colaboradores.

E o que se vê, superficialmente é a falsa sensação de trabalhadores ignorantes ou indiferentes aos interlocutores, quando na verdade, além de serem pessoas amáveis para quem os conhecem no dia-a-dia. Mais que isso, são esses profissionais ‘grossos’, ‘estúpidos’, ‘ignorantes’, como são taxados diariamente nas trincheiras das saúde, são os mesmos, que se matam, literalmente, para se desdobrarem e garantirem atendimento, aos pacientes.

Os mesmos que ignoram os xingamentos, pois no fundo entendem a dor e o desespero, seja do paciente ou do acompanhante. Que ligam para outra unidades, para pedir equipamentos, roupas e medicamentos emprestado. Ou o mais grave, que se expõem perante a mídia, para tentar mostrar à sociedade, que não são os culpados pela péssima qualidade no atendimento, uma vez que os gestores ou o governo, pouco ou nada faz de concreto para atender a demanda das unidades de saúde.

Esses são os mesmos que eventualmente recebem voz de prisão, por não conseguir atender simultaneamente o dobro ou o triplo de pacientes além do recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

Em um ambiente onde convivem gestores, usuários e trabalhadores, no calor do momento e na tensão de decisões, com ânimos acirrados, as vezes aparentemente simplistas ou contraditórias mas com forte impacto positivo ou negativo sobre uma gama de envolvidos,  talvez o melhor caminho seja se tomar cuidado com as colocações, pois em muitas ocasiões pode acontecer de criminalizar inocentes em detrimento dos algozes.

1

Kleber Karpov

@KleberKarpov Jornalista (MTB 10379-DF) Perfil Acadêmico e Profissional Pós-Graduando em Auditoria em Serviços de Saúde (ICESP-DF) Graduado em Jornalismo (ICESP-DF); Ciências Políticas (Veduca/USP); Consultor em Tecnologia da Informação; Consultor em Marketing Político; Coordenador de Campanhas políticas ou institucionais; ex-Assessor Parlamentar na Câmara Federal; Vice-Presidente da Associação Brasiliense de Blogueiros de Política (ABBP); Projetos Pessoais e Sociais: Criador do projeto www.queromeucarrodevolta.com.br (2012), para vítimas de roubos e furtos de veículos; Editor e Apresentador do telejornal Quero Meu Carro de Volta Apresentador do Panorama Político (Rádio Federal) Envie sua sugestão de pauta: Whatsapp: (61) 99606-2984 E-Mail: karpovls@gmail.com

Você pode gostar...

Comentário