Atualização: Durante vacinação contra H1N1, Rollemberg mata 2 mil servidores da Saúde, de fome

45
Print Friendly, PDF & Email
Atualizado em 1/5/16 às 17h55

Durante campanha de vacinação contra o influenza (H1N1) servidores da Saúde trabalharam de 8h às 17h sem receber água, lanche ou qualquer outra refeição. Tratamento do GDF aos 2 mil trabalhadores que atuaram na imunização de quase 181 mil pessoas ocorre na véspera do Dia do Trabalhador

Por Kleber Karpov

Vários servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) acionaram Política Distrital, após as 15 horas de sábado (30/Abr), para reclamar por não receberem refeição durante o dia “D” da campanha que vacinou 180.845 pessoas contra o vírus influenza A (H1N1).  Os trabalhadores reclamam em relação ao descaso da SES-DF e alegam que em alguns locais não receberam sequer água para beber.

A fúria dos servidores se mostra justificável.. Isso porque, a gerente da Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização (Gevei), ligada a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) da SES-DF, Juliana Soares da França encaminhou o Memorando nº 29/2016, em 20 de abril, a Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS) em que pedia atenção para a “situação da alimentação para os servidores envolvidos nas campanhas de vacinação”.

O Memorando apontou problemas em três processos para aquisição de alimentação aos servidores que deveriam atuar nas Campanhas de Vacinação de 2016. O primeiro de março de 2015, não concluído, o segundo em aberto e o terceiro, de emergência, sob restrições judiciais.

Publicidade

O documento alertou ainda a proximidade do Dia de Mobilização para a Vacinação da Influenza, agendado para 30 de abril, em que nos anos anteriores a SES-DF garantia alimentação de todos os servidores e sugeriu que a Secretaria oferecesse “condições mínimas para que os profissionais de saúde trabalhem com segurança e compromisso.”.

0fd018b9-4878-4e30-ae37-2d9b2599d635

Irresponsabilidade ou descaso?

Rollemberg durante lançpamento de campanha de vacinação contra a influenza (H1N1) - Foto: Renato Araújo/Agência Brasília
Rollemberg durante lançamento de campanha de vacinação contra a influenza (H1N1) no HRAN – Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Porém, ainda com alerta emitido com 10 dias de antecedência, a SES-DF mobilizou 2.000 servidores para a campanha de vacinação, sem oferecer refeição e água, para trabalharem por nove horas seguidas e sem aviso prévio em tempo hábil para que os trabalhadores pudessem buscar uma alternativa à falta de alimentação.

A constatação dessa ação por parte da SES-DF pode ser encontrada na publicação de matéria no site da Agência Brasília (30/Abr) em que o GDF afirma ter imunizado mais de 180 mil pessoas, apenas no sábado. Vale observar que o evento de lançamento oficial da campanha foi realizado no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) e contou com as presenças do governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB) e do secretário de Saúde, Humberto Fonseca.

“O governo de Brasília imunizou, neste sábado (30), 180.845 pessoas contra a influenza A (H1N1). Considerado o dia “D” no combate à gripe, mais de dois mil profissionais da Saúde se mobilizaram em todos os postos do Distrito Federal, que funcionaram das 8 às 17 horas. Como o Executivo local antecipou-se e iniciou a vacinação para grupos prioritários em 18 de abril, o balanço aponta que 385.183 mil pessoas foram protegidas, o que representa 63% do público-alvo, estimado em 609.105. A vacinação segue até 20 de maio.

O levantamento mostra que 64% das crianças menores de 5 anos foram imunizadas. Os idosos tomaram 115.131 doses, 56,5% do total. Um grupo representado por 21.239 mil gestantes também está protegido, o que significa 63% do total. Já 4.215 mil puérperas (que deram à luz recentemente) receberam vacinas (76,6% do total). Outros 65.711 trabalhadores da saúde e 60.356 mil portadores de doenças crônicas não transmissíveis (hipertensão, diabetes, bronquite e asma) também foram imunizados, o que equivale a 91% e 64,2%, respectivamente, do total.

Além de proteger contra o vírus de maior incidência, o H1N1, a vacina ainda combate a H3N2 e a influenza B.”

Sindicato critica ação do GDF

O vice-presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF), Jorge Vianna, criticou a ação do GDF e da Secretaria de Saúde por não oferecer refeição aos servidores.

“É inadmissível os trabalhadores terem que trabalhar o dia todo sem uma refeição. Não acredito que o GDF não tenha o mínimo de condições financeiras para poder pagar ao menos a refeição para os trabalhadores que estão ajudando a população. Isso prova mais uma vez que o governo está atrapalhado na área de saúde e que nem uma campanha de vacinação que são feitas todos os anos em todos os governos, e sempre houve uma logística para garantir todo o suporte aos trabalhadores. Cadê a logística da SES? Cadê o dinheiro para pagar a refeição aos servidores? A companha vai continuar amanhã e espero que a Secretaria melhore o tratamento em relação aos trabalhadores.”

Críticas de servidores

ccd77afc-f5ca-46dc-96d4-3bda28d42297Confira algumas críticas de servidores da SES-DF, encaminhadas ao Política Distrital, e outras publicadas em grupos de aplicativo Whatsapp e em algumas redes sociais. Por questões óbvias, o Blog não divulgará os nomes dos trabalhadores que trabalharam sem alimentação ou água durante a campanha de vacinação.

 “Faltou comida para os servidores neste sábado, nem lanche nos deram. Uma falta de respeito à todos, alguns só foram avisados hoje e aqueles que não tinham dinheiro,  tiveram que contar.com a ajuda dos colegas. Lamentável,  estamos jogados ao leu. (SIC)”.

“Está faltando até almoço pros técnicos de enfermagem da campanha vacinal. Ave Maria. To decepcionada. (SIC)”.

 “Quero colocar aqui nota de repudio, a SESDF, que colocou os trabalhadores da enfermagem na campanha de vacina sem almoço, sem lanche e em alguns lugares sem água. Governador, vossa excelência é louco? Perdeu o senso do ridículo? E quem não tinha dinheiro pra comer? Eu não tenho palavras que possam exprimir o grau de nojo que tenho do senhor. Ser humano desprezível.(SIC)”.

“Caramba em toda a história dos trabalhadores DE SAÚDE do DF, nunca ficamos sem alimentação em campanhas….Atestado de incompetência assinado por secretário, governador e toda a sua acessoria…..incompetência pura…….(SIC)”.

 “Nunca teve uma campanha de vacina, sem o trabalhador  ter alimentação e um descaso total ,com o servidor que vai trabalhar num final de semana, deixando a família e se desdobrando a trabalhar.(SIC)”.

“Em respeito a dedicação e esforço destes profissionais que por vezes, trabalham com a sobrecarga do trabalho! O mínimo seria o apoio quanto a comodidade da garantia da alimentação, como água, suco, café, lanche e almoço. É respeito ao trabalhador, que já se esmera nos plantões do dia a dia. (SIC)”.

“Na véspera do dia dos trabalhadores, desejo que de algum modo, um dia, toda realidade mude de modo a respeitar aquele que se doa pelo próximo. Saúde a todos!(SIC)”.

O que diz a SES-DF?

Politica Distrital encaminhou questionamento à SES-DF para saber o motivo do não fornecimento das refeições aos servidores e ainda se o problema será corrigido neste domingo. O Blog atualizará a matéria tão logo receba um posicionamento da Secretaria de Saúde.

Atualização

Em nota, por meio da Assessoria de Comunicação a SES-DF esclarece.

A campanha de vacinação no dia D foi um absoluto sucesso graças à dedicação dos servidores, que trabalharam durante todo o dia com empenho e alegria. A meta de 110 mil vacinas foi ultrapassada e 180 mil pessoas foram vacinadas. Como se sabe, todos os servidores recebem auxílio alimentação. E, pelo belo trabalho que fizeram no sábado, receberão folga compensatória sem desconto do auxílio alimentação. Como também é sabido, a Secretaria de Saúde não tem no momento contrato para alimentação. Recebeu na semana passada autorização do TCDF e fará nos próximos dias a licitação. Fornecer alimentação aos servidores durante o Dia D da Vacinação implicaria um gasto de quase R$ 1 milhão sem cobertura contratual, algo que é vedado pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Com informações de Agência Brasília

0

Comentário