Fogo cruzado nos Bombeiros DF

52
Print Friendly, PDF & Email
Por Carlos Augusto Pinto

Pelo menos dois grupos políticos estão trabalhando para derrubar o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do DF, cel. Hamilton Santos Esteves Junior, que conseguiu – sabe-se lá como – pular do governo de Agnelo Queiroz (PT) para o de Rodrigo Rollemberg (PSB).  Hamilton, como é conhecido na corporação, irrita quase duas dezenas de coronéis com o seu estilo de gestor público: costuma visitar os quartéis e conversar diretamente com a tropa, algo nunca visto na história dos bombeiros do DF e recolhe sugestões que tenta transformar em regra geral de convivência. Até aí, tudo bem e moderno. Mas o oficial, de apenas 43 anos, começa a perceber que poderá não completar um ano no comando, o que lhe daria também o direito de incorporar um aumento salarial que jogaria o seu contra cheque para R$ 36 mil e uma aposentadoria invejável.

Nas entranhas administrativas do governo Rodrigo Rollemberg, se desenvolve uma trama política capaz de arremessar Hamilton para bem longe da liderança. Uma é coordenada pelo Administrador Regional do triângulo formado pelas cidades do Núcleo Bandeirantes, Candangolândia e Park Way. É nele que se hospeda Roosevelt Vilela Pires, bacharel em Direito e bombeiro militar da reserva, admirador do cel. Sérgio José Bezerra, atual subsecretário de Defesa Civil. O outro grupo é liderado pelo deputado Distrital Robério Negreiro (PMDB), empresário bem sucedido na área de segurança, que tem como um dos principais auxiliares o sargento-bombeiro da reserva Aylton Gomes. Aylton era deputado quando o Juiz Alvaro Ciarlini, da Segunda Vara da Fazenda Pública decretou o bloqueio de todos os seus bens no decorrer do escândalo denominado como ” Caixa de Pandora” pela Polícia Federal que levou à prisão o então governador José Roberto Arruda, que acabou defenestrado do trono. Mesmo assim, Aylton Gomes conseguiu concluir o mandato sempre ao lado de Agnelo Queiroz,  mas caiu na vala dos fichas sujas e ficou impedido de se reeleger em 2014.

Roosevelt Vilela e Robério Negreiro estão atentos a todos os passos do cel. Hamilton Junior, e auxiliares tratam de espalhar “cascas de banana” no caminho do comandante. Por não liderar nenhuma corrente política na corporação – ou fora dela- Hamilton Junior pode ter encurtada a sua irrepreensível carreira. Hoje, o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal é a instituição mais  equipada e bem treinada da América Latina. Mas o seu chefe-maior, com o qual este jornalista não tem a menor intimidade, pode acabar falando sozinho em seu gabinete.

*Carlos Augusto Pinto é Jornalista Profissional – MTPS RJ 1184JP SJPDF 1759, foi repórter das rádios Tupi e Nacional (Rio), Globo (SP) , Jornal do Commercio, Última Hora e Jornal dos Sports (Rio); Manchete (Rio e Recife),  Fatos, Ele & Ela, Tendência (Rio); repórter político desde 1987 em Brasília. Soltou pipa, foi baloeiro, jogou bola de gude, frequentou o Maracanã e as noites da saudosa Cidade Maravilhosa. E escreve como colaborador neste blog, assinando a coluna Clínica Geral.

Publicidade

Fonte: Blog do Professor Chico

0

Comentário