Princípio de incêndio causa restrição de atendimentos a casos graves no HRT

119


Print Friendly, PDF & Email

Com Projeto de Lei em tramitação na CLDF, Jorge Vianna (Podemos) ratifica importância de brigada profissional em unidades de saúde

Por Kleber Karpov

Na manhã desta sexta-feira (26/Jul), o Corpo de Bombeiros do DF (CBMDF) atendeu uma ocorrência de princípio de incêndio no Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Segundo o CBMDF, o ponto que deu origem foi em uma galeria, na saída de exaustão da lavanderia do hospital, por acumular plumas de algodão, e chegou a ocasionar a suspensão, temporária, de atendimentos de casos graves na unidade de saúde.

Em nota encaminhada ao Metrópoles, a direção do HRT afirmou que, além da limitação de atendimento a casos graves, 22 pacientes, dos 108 internados no Pronto-Socorro, chegaram a ser removidos para enfermarias, após o princípio de incêndio. Mas, não houve feridos.

Publicidade

Unidades em risco

Oriundo da Saúde, o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), é autor do Projeto de Lei (PL) 90/2019, que dispõe sobre a obrigatoriedade de contratação de bombeiros civis, para estabelecimentos das redes pública e privada de saúde do DF, com frequência diária superior a 500 pessoas. Ao conceber o PL, o parlamentar alertou sobre os riscos de incêndios nessas unidades.

“Nossas unidades de saúde, principalmente os hospitais estão sucateados, com muitas gambiarras nas ligações elétricas, com vazamentos e infiltrações em casos de chuvas, que muitas vezes acabam causando incêndios e acidentes. Então, é importante que tenhamos a ação dos bombeiros brigadistas nas unidades de saúde.”, justificou Vianna.

Ao Política Distrital (PD), Vianna ratificou a necessidade desses profissionais nas unidades de Saúde. “Temos que agradecer a presteza do Corpo de Bombeiros que chegou a tempo de conter e evitar que o fogo se alastrasse. Mas como tenho dito, nossos hospitais, estão extremamente sucateados e, é importante que tenhamos o apoio de brigada profissional, nas unidades de saúde com grande fluxo de pessoas, de modo que eles possam atuar rapidamente, em conjunto com as equipes de saúde e com o próprio Corpo de Bombeiros, para minimizar dados e evitar possíveis tragédias.”, disse.

O deputado observou que o PL teve parecer favorável nas comissões de Segurança (CSEG), Economia, Orçamento e Finanças (CEOF) e Educação, Saúde e Cultura (CESC) e pode ser apreciado no plenário, pelos parlamentares, nas próximas semanas.

Com informações de Metrópoles