Caso de cantora tcheca, antivacina, que morreu após contrair covid-19 propositalmente serve de alerta, aponta Cofen

338
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

A cantora tcheca, Hanka Horka, de 57 anos, da banda Asonance, morreu no domingo (16/Jan), em decorrência de complicações relacionadas à infecção por covid-19. Contrária a vacinação, a artista se contaminou de forma deliberada com objetivo de obter o passaporte de imunidade, pois na República Tcheca. Naquele país, além das pessoas vacinadas, o documento pode ser requerido, também, por aqueles que têm anticorpos, pós  infecção pelo coronavírus.

O caso foi abordado por Jan Rek, filho de Hanka Horka. Em entrevista à BBC, explicou que a mãe foi infectada de propósito, em ocasião em que Rek e o pai, foram contaminados pelo coronavírus. A contaminação essa, deliberada por parte da progenitora, conforme relato do jovem,  para que pudesse obter um passaporte de Covid para acessar determinados locais.

Publicidade

Após ser contaminada e ter complicações, Hana Horka, chegou a postar nas redes sociais que estava a se recuperar, porém, morreu dois dias depois da postagem.

Exposição pode ser fatal

O caso serve de alerta, para que as pessoas evitem tais práticas, conforme pondera o coordenador do Comitê Gestor da Crise do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), Eduardo Fernando, ao lembrar que a covid-19 é uma doença grave, passível de complicações e até mesmo de reinfecção, em caso de pessoas já vacinadas. “Não se recomenda, em nenhuma hipótese, a exposição deliberada à doença”.

No Brasil, mais de 23 milhões de casos foram registrados desde o início da pandemia, em 2020, com um total de 622 mil mortes. “Os Conselhos de Enfermagem defendem a vacinação em massa, combinada a medidas de distanciamento social e investimentos na assistência, como formas de conter a pandemia”, ressalta Eduardo.

Imunização

Com o avanço da vacinação, a mortalidade por covid-19 se reduziu de forma acentuada, mas a chegada da variante ômicron, mais resistente à vacina, já acende sinais de alerta, com sobrecarga dos serviços de Saúde.  Levantamento do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) indica que quase 82% dos entrevistados estão atendendo mais pacientes; e 33% relatam que a jornada de trabalho aumentou.

VIABBC e Cofen
Artigo anteriorAgência do trabalhador do DF tem vagas com salários de até R$ 7 mil
Próximo artigoFarmácias do DF contam com 60 mil kits para testar população