Saiba como economizar e ter mais segurança no transporte coletivo

Pagar a passagem com cartão reduz em 55% o gasto com transporte e aumenta a tranquilidade nos ônibus

22
Print Friendly, PDF & Email

Economia nos gastos mensais com passagens e aumento da segurança dentro dos ônibus são algumas das vantagens que o passageiro tem ao usar os cartões de mobilidade e vale-transporte.

Em 2021, a procura pelo cartão mobilidade cresceu 16%. É o tipo de cartão mais usado no transporte público do DF, chegando à casa das 800 mil unidades ativas. A possibilidade de fazer integração e gastar menos dinheiro nas viagens contribuiu para o aumento da procura. Com o cartão, o passageiro pode economizar, em média, 55% dos gastos mensais com transporte.

Cerca de 25% das passagens nos coletivos do DF ainda são pagas em dinheiro
A integração pode ser feita em qualquer parada de ônibus, estações do metrô e nos terminais rodoviários. Em vez de pagar duas ou três passagens, com o cartão, a pessoa pode fazer até três embarques em sentido contínuo e no prazo máximo de até três horas entre o primeiro e o último embarque.

Publicidade

É possível combinar uma parte do trajeto por meio de micro-ônibus ao custo de R$ 2,70, depois embarcar no metrô ou BRT – que têm tarifa de R$ 5,50 – e completar o percurso numa linha urbana de ônibus no valor de R$ 3,80. Em vez de pagar R$ 12 nas três viagens, o passageiro vai pagar apenas a tarifa integrada, de R$ 5,50.

Os dados da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) e do BRB mostram ainda o aumento de 8% na ativação dos cartões do tipo vale-transporte (VT), tendo ultrapassado os 640 mil cartões ativos este ano. O cartão VT é de uso exclusivo do trabalhador, mas também permite fazer integração. Como esse cartão pode ser usado apenas para deslocamentos de casa para o trabalho e na viagem de retorno, muitos usuários do VT adquirem também o cartão mobilidade.

“Desde o início da pandemia, no ano passado, estamos realizando campanhas e orientando os usuários a adquirirem os cartões, pois, além de evitar o manuseio de dinheiro, eles podem usufruir do benefício da integração”, explicou o secretário da Semob, Valter Casimiro. Segundo ele, o pagamento por meio de cartão favorece também o combate aos assaltos no transporte público.

Cerca de 25% das passagens nos coletivos do DF ainda são pagas em dinheiro. O risco de assaltos, inclusive com violência contra motoristas, cobradores e passageiros, é reduzido à medida que o pagamento das passagens é feito por meio eletrônico.

Onde adquirir e recarregar

Os cartões podem ser recarregados de forma on-line por meio do site ou ainda pelo aplicativo do BRB Mobilidade; e, de forma presencial, nos mais de 120 pontos espalhados por todo o DF.

Os horários e o tipo de atendimento disponíveis em cada posto do BRB podem ser conferidos na página da instituição por meio deste link.

FONTEAgência Brasília
Artigo anteriorPrevenção ao HIV deve ser feita durante todo o ano
Próximo artigoInscrições para recenseador e agente censitário do IBGE terminam hoje